Marina diz que falta de visão estratégica motivou saída

Em carta encaminhada ao presidente do PT, Ricardo Berzoini (SP), a senadora Marina Silva anunciou sua desfiliação do partido e disse que, apesar dos avanços conquistados durante os seis anos em que foi ministra do Meio Ambiente do governo Luiz Inácio Lula da Silva, "faltaram condições políticas para avançar no campo da visão estratégica, ou seja, de fazer a questão ambiental alojar-se no coração do governo e do conjunto das políticas públicas". Marina Silva anunciou hoje à imprensa que está em processo de negociação para se filiar ao PV, mas não quis falar na possível candidatura à Presidência da República.

CAROL PIRES, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 13h57

A Berzoini, a senadora explicou que não deseja mais continuar sua luta ambiental dentro do partido, e sim procurar um grupo que assuma "inteira e claramente um novo padrão de desenvolvimento para o Brasil". "É o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte por quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País", afirmou a parlamentar, em um trecho da carta.

De acordo com ela, a desfiliação não foi um processo fácil. "Ao contrário, foi intenso, profundamente marcado pela emoção e pela vinda à tona de cada momento significativo de uma trajetória de quase trinta anos, na qual ajudei a construir o sonho de um Brasil democrático, com justiça e inclusão social, com indubitáveis avanços materializados na eleição do presidente Lula, em 2002".

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010Marina SilvaPTPV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.