Marina diz que Brasil enfrenta 'barbárie administrativa'

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, classificou hoje como "barbárie administrativa" o período por que passa a gestão pública brasileira. "Avançamos na questão econômica e na questão social, mas estamos diante de um retrocesso político sem tamanho", disse a candidata, referindo-se às denúncias envolvendo a quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas ao candidato José Serra (PSDB) e à suspeita de existência de um esquema de tráfico de influência na Casa Civil.

JOANA MATUSHITA, Agência Estado

12 de setembro de 2010 | 14h52

Marina acredita que a discussão em torno das denúncias será inevitável no debate entre os presidenciáveis marcado para hoje à noite, na RedeTV!. "Isso só não pode ser usado como estratégia para ganhar votos por quem quer que seja. Tem que haver um compromisso de passar a gestão pública a limpo", ressaltou.

Pela manhã, a candidata do PV esteve no Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu, na zona oeste capital paulista, acompanhada de seu candidato à vice, Guilherme Leal, e do candidato ao governo do Estado de São Paulo pelo PV, Fábio Feldmann.

Após a visita, Marina comentou a participação do País como sede dos dois maiores eventos esportivos mundiais, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. "O investimento deve ser feito com participação da iniciativa privada. O Estado deve se focar nas questões de infraestrutura, orientando os investimentos para que, após o evento, os empreendimentos não se transformem em estruturas obsoletas e verdadeiros elefantes brancos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.