Marina diz que adversários vivem em 'mundo de ficção'

A candidata do PV à Presidência acredita que Dilma e Serra são parecidos, apesar de terem criado mundos fictícios com cores diferentes

Gustavo Porto, de O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2010 | 14h14

RIBEIRÃO PRETO - A candidata do PV a presidente da República, Marina Silva, defendeu nesta segunda-feira, 30, duas mulheres no segundo turno da eleição, numa referência a uma possível disputa entre ela e sua adversária Dilma Rousseff (PT). "Me parece que a sociedade quer uma mulher no segundo turno. Então, vamos botar as duas para que, com tempo igual, possam debater e, depois de 500 anos, o Brasil possa decidir qual a mulher que quer ver na Presidência", afirmou Marina, após participar do "Fórum Internacional Sobre o Futuro do Etanol", em Sertãozinho (SP).

 

Apesar de admitir a ida de Dilma a um possível segundo turno na eleição para presidente, Marina igualou a adversária ao candidato tucano, José Serra (PSDB), afirmou que os dois criaram mundos de ficção, com cores diferentes. "Em um (mundo), tudo é resolvido. É o mundo azul, o mundo do Serra. No mundo da Dilma, está praticamente tudo cor-de-rosa e vai continuar cor-de-rosa", afirmou a candidata. "Serra e Dilma são parecidos, ambos são desenvolvimentistas e têm perfil gerencial. Estou dizendo que o Brasil precisa de visão estratégica para saúde, educação e infraestrutura", completou.

 

Marina usou a cor cinza para exemplificar a situação atual em alguns setores do País e avaliar o que, na opinião dela, ainda precisa ser melhorado. "Temos a cor cinza da educação em que 40% das crianças não chegam à oitava séria; da saúde, com pessoas horas e horas na fila para uma consulta e ainda com 80% dos assassinatos entre a população jovem destruída pelo crack".

 

Mesmo com os resultados desfavoráveis das pesquisas - que a colocam no terceiro lugar e com a possibilidade de Dilma vencer já no primeiro turno - Marina afirmou que na democracia "ninguém pode se entregar à derrota antes do tempo e nem à vitória". A candidata reafirmou o bordão de que ao eleitor cabe a decisão, para justificar a crença que ainda pode disputar o segundo turno. "Na hora que os brasileiros se depararem com a realidade e saírem desse mundo de fantasia, o eleitor vai começar a ver que o País precisa ter outra atitude em relação ao futuro", disse.

 

Marina afirmou ainda que os governos dos últimos 16 anos adotaram, "lamentavelmente", discursos e práticas que opõem meio ambiente ao desenvolvimento, "como se as duas coisas não fossem compatíveis", numa referência aos oito anos do governo petista e outros oito do PSDB, mesmos partidos, respectivamente, de Dilma e Serra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.