Marina defende em Recife ampliação do Bolsa Família

A senadora Marina Silva (PV), iniciou o sábado de campanha, em Recife, defendendo o programa Bolsa Família, do governo federal e comprometendo-se a ampliar os recursos e o número de famílias atendidas. "Só acha que o Bolsa Família é assistencialismo quem mora em um lugar que tem esgoto saneado, água encanada, segurança e conforto. Quem mora no meio da lama, que tem que fazer malabarismos para criar seus filhos, sabe como é importante o dinheiro do Bolsa Família. E é por isso que eu faço questão de dizer a todos que eu vou manter e ampliar o Bolsa Família", afirmou, durante visita a comunidade do Coque, conhecida por ter um dos maiores índices de violência e tráfico de drogas na capital pernambucana.

MONICA BERNARDES, Agência Estado

31 Julho 2010 | 12h34

A candidata participou de um encontro com um grupo de 30 crianças, com idades entre 3 e 10 anos, que frequenta a Escola Popular de Direito Constitucional Pequeno Cidadão, instituição criada na comunidade para retirar as crianças das esmolas nos semáforos e introduzir conhecimentos de direito e cidadania. Bastante emocionada, ela defendeu a inclusão de exemplos como o dessa escola em seu programa de governo, "como um projeto amplo, que prevê a educação cidadã", destacou, lembrando em vários momentos de sua origem humilde e de ter vivido no analfabetismo até os 16 anos.

Críticas

Sem citar nomes, a senadora criticou as políticas sociais dos adversários. "Assim como em muitas comunidades pobres, quem mora aqui no Coque vive o pior dos descasos, o abandono por parte do Poder Público. Isso infelizmente acontece há anos, vem de um governo e passa para o outro e nada muda."

Pela manhã, a candidata esteve em um café da manhã com 15 pastores líderes de Igrejas Evangélicas do Estado, costurando apoio para a campanha. Depois, participou de um debate em uma rádio local. Na ocasião, além de falar sobre suas propostas de campanha, disparou contra o presidenciável tucano José Serra. "Fiquei muito triste quando ouvi o Serra, esta semana, questionando o que o meu vice, Guilherme Leal, fez pelo Brasil. Ora, ele fez muito. Como empresário, paga seus impostos, gera emprego. Não é preciso ser político para fazer algo pelo País", afirmou.

Ainda na entrevista Marina defendeu a realização das reformas Política e Tributária e voltou a criticar o discurso dos adversários, que segundo ela "ganham varinhas de condão durante o período eleitoral". "Eu defendo estas reformas, mas para aprová-las tenho que ter o apoio do Congresso Nacional. Meus adversários foram ou são governo, e não conseguiram isso, mas continuam prometendo como se pudessem fazer isso sozinhos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.