Marina cutuca rivais e defende nova mentalidade política

Pré-candidata à Presidência da República pelo PV, a senadora Marina Silva atribuiu aos seus dois concorrentes diretos, José Serra (PSDB) e Dilma Roussef (PT), os modelos de desenvolvimento do século 19 e 20, respectivamente. "Eles defendem o modelo de desenvolvimento dos séculos 19 e 20. O Brasil precisa mudar a mentalidade política. As pessoas estão fazendo um cálculo que é só juntar máquinas partidárias e colocar as pessoas para votar. O Brasil não precisa de gerente, precisa de pessoas com visão política, que pensem no processo, que criem estruturas e meios para fazer as coisas."

ANNA RUTH DANTAS, Agência Estado

12 de maio de 2010 | 13h27

Sem deixar o tom de crítica, ela disse que as políticas sociais do governo Lula "valeram a pena", mas que o PT não conseguiu implementar o desenvolvimento sustentável. "As políticas sociais do governo Lula valeram a pena. Mas infelizmente o PT não foi capaz de se integrar a luta pelo desenvolvimento sustentável. As vezes é preciso sair de casa para de alguma forma continuar junto. Eu saí (do PT) porque não foi possível implementar uma visão de desenvolvimento sustentável dentro do governo e o PT ainda não alcançou esse objetivo", disse ela, durante entrevista a uma emissora de rádio de Natal.

Ela voltou a dizer que "jamais" imaginou ver o senador Fernando Collor de Mello no palanque da ex-ministra Dilma. "Eu disse alguns anos atrás que quem viver verá, mas jamais imaginei que pudesse ver isso. A sociedade vai fazer o seu julgamento e sentir que está dando continuidade daquilo que entende ser", destacou.

Marina Silva continua cumprindo agenda hoje na capital potiguar. À tarde ela se reunirá com assessores de campanha e, depois, estará no 20º Encontro Nacional da Associação Nacional dos Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.