Marina critica rótulo de 'terrorista' dado à Dilma

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, condenou hoje, em entrevista ao portal Terra, o rótulo de "terrorista" dado à ex-ministra Dilma Rousseff, que na juventude participou de grupo político que lutou contra o regime militar. "Acho que ela lutou pela democracia, não acho correto ficar chamando ela de terrorista", afirmou.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

26 Julho 2010 | 16h54

Marina disse ser contra o julgamento de militares que praticaram de tortura durante o regime militar, porque a "anistia foi para todos". Ela, no entanto, é favorável à criação da Comissão da Verdade no Congresso Nacional para apurar os crimes políticos ocorridos na época."Sou favorável a se tirar esses cadáveres do armário", defendeu.

Perguntada por internautas sobre qual candidato apoiará no segundo turno, caso não continue no pleito, Marina disse que o assunto só será tratado no futuro. Marina afirmou que hoje não se sente mais próxima nem de Dilma, nem de Serra porque seus adversários têm um perfil gerencial e desenvolvimentista. "Os dois são muito parecidos, são muito eu, eu, eu, eu", ironizou.

Na entrevista, feita no estúdio do portal em São Paulo, Marina afirmou que pretende fazer uma campanha sem agressões pessoais aos adversários e baseada em críticas aos programas de governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.