Marina critica PV e apoia Dilma contra Código Florestal

A crise envolvendo o PR dentro do Ministério dos Transportes foi um dos temas mais mencionados durante o evento que marcou a saída da ex-senadora Marina Silva e de seus aliados do PV. A ex-candidata à Presidência da República afirmou estar pronta para apoiar a presidente Dilma Rousseff no veto ao projeto do Código Florestal que tramita no Senado e disse esperar que a presidente consiga "resistir" às práticas do que ela chama de "velha política". Para Marina, não há mais como reformar o atual modelo de política brasileira, e sim reinventá-lo. "Remendar é muito pouco para o tamanho do problema que estamos vivendo no Brasil", disse Marina Silva, na tarde de hoje.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

07 de julho de 2011 | 18h46

Para anunciar sua desfiliação do PV, Marina convocou uma plenária com simpatizantes e apoiadores de sua campanha à Presidência e com aliados que deixam a legenda para criar um movimento suprapartidário em prol do verde e da cidadania. Durante o evento, o ex-presidente do diretório estadual do PV em São Paulo Maurício Brusadin afirmou que os partidos vivem hoje a decadência e não atendem mais às demandas da sociedade. "E o PV não é diferente disso", comparou. "Reconhecemos que o PV, assim como a maioria dos partidos, se divorciaram de vez da sociedade", completou o ex-candidato ao Senado por São Paulo Ricardo Young.

Brusadin colocou a sua antiga legenda no mesmo status do PR e criticou o partido do ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento por reclamar de sua demissão da pasta. "Eles não têm vergonha de dizer isso", criticou. O PR também foi alvo de críticas de Young. "Não podemos mais transigir com isso."

Em seu discurso, Marina citou o escândalo envolvendo o PR como exemplo de algo que não pode mais ser tolerado na sociedade. "Não podemos negar a tristeza com a política", lamentou a ex-senadora. "Os partidos continuam sendo importantes, mas não podemos fechar os olhos para seus desvios."

A ex-senadora destacou que pretende ajudar Dilma nas discussões no Congresso sobre o novo Código Florestal. Ela lembrou que a presidente assumiu compromisso na campanha de não aprovar nenhum texto que favoreça o desmatamento e, ao ser questionada se estaria otimista em relação ao veto do projeto, Marina desconversou. "Não estou nem otimista nem pessimista. Estou persistente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.