Marina critica o PAC e rechaça campanha plebiscitária

Segundo a pré-candidata do PV à Presidência, programa é 'uma gerência de uma colagem de um conjunto de obras'

Ângela Lacerda, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2010 | 15h04

A pré-candidata do PV à Presidência da República, senadora Marina Silva, voltou a criticar nesta terça-feira, 30, o Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) ao considerá-lo "não um programa, mas uma colagem de obras". "O PAC é uma gerência de uma colagem de um conjunto de obras", mesmo que algumas delas sejam importantes e necessárias. "O que temos ali é um gerenciamento dessas obras, para ver como estão os recursos, para ver como está o licenciamento, o projeto de viabilidade econômica e técnica".

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif PV-SP confirma Feldmann e Young para chapa em SP

 

"Minha crítica ao PAC é que ele precisa se transformar em um programa". E um programa voltado para a infra-estrutura, segundo ela, terá de ser mais algo mais abrangente, com coerência interna e externa, onde se pensa a necessidade da infraestrutura para o País de acordo com a dinâmica de crescimento que terá para os próximos cinco, 20, 30 anos.

 

Ela reforçou que existem obras repetidas - com o anúncio do PAC-2 antes da conclusão do PAC 1 - e que nem sempre o anunciado é realizado. Algumas obras, destacou, "não ligam lé com cré" e têm caráter político eleitoreiro. Exemplificou com a BR-319, no Pará, onde se quer gastar bilhões com 400 quilômetros dentro da floresta virgem, com a justificativa de que é para as pessoas poderem ir de carro de Manaus para Rondônia. "Seria mais inteligente subsidiar passagens de avião para as pessoas irem para Manaus ou Rondônia", defendeu.

 

A pré-candidata observou que a tentativa de transformar a campanha presidencial em uma discussão plebiscitária (como prega o PT) ou numa disputa de currículos (como propõe o PSDB) "avilta o Brasil". Defendeu que o Brasil não precisa de um gerente. Na sua avaliação Fernando Henrique Cardoso e o presidente Lula não eram gerentões e por isso conseguiram avanços. O primeiro, na estabilidade da economia, e o segundo, conseguindo crescimento com avanço social. "Quando se tem visão, se estabelece o processo correto, se consegue as melhores pessoas para criar estruturas e colocá-las de pé", disse.

 

As declarações foram dadas durante entrevista coletiva em Recife. Marina cumpre agenda em Pernambuco até quinta-feira, 1º de abril.

Mais conteúdo sobre:
Marina SilvaPFeleições 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.