Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Maria do Rosário diz que não aceitará palavras que Bolsonaro 'usava na tortura'

Deputado do PR-RJ afirmou em plenário que não estrupraria a ex-ministra dos Direitos Humanos 'porque ela não merece'

DANIEL CARVALHO E DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

09 de dezembro de 2014 | 18h25

Ex-ministra dos Direitos Humanos, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) reagiu emocionada à declaração de seu colega Jair Bolsonaro (PR-RJ), que disse nesta terça-feira que só não a estupraria porque ela "não merecia". "Já fui agredida além da conta. Não aceitarei que talvez palavras que ele usava em algum lugar da tortura, porque essas ameaças são típicas de quem fala em tortura. Não aceito que isso seja dito contra mim ou contra qualquer mulher", afirmou durante intervalo da reunião da bancada do PT na Câmara.

Mais cedo, no plenário, Bolsonaro atacou Rosário após ela defender, em discurso, a Comissão da Verdade, que investiga crimes durante a ditadura militar. "Não saia, não, Maria do Rosário, fique aí. Fique aí, Maria do Rosário. Há poucos dias você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não estuprava você porque você não merece. Fique aqui para ouvir", disse o deputado.

O líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, Vicentinho (SP), chamou a fala de Bolsonaro de "desrespeitosa e criminosa". Para o petista, Bolsonaro fez apologia ao estupro no plenário. "Alguém que de certa forma estimula o estupro e desrespeita uma deputada - ele já ameaçou bater nela outra vez - agora fazer isso, requer da nossa bancada uma posição firme". Ele disse que os assessores jurídicos da bancada estudam ações judiciais e regimentais contra o deputado, como representação no Conselho de Ética.

"Só quero vir para a Câmara dos Deputados e poder trabalhar. Não me dirigi a este senhor. Fiz um pronunciamento como deputada. Tenho o direito de trabalhar com liberdade e acredito que uma atitude violenta como esta, um pronunciamento violento como este, não é contra a minha pessoa. Ele, de fato, agride todas as mulheres", afirmou a ex-ministra. Questionado, o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), disse ainda não ter assistido à gravação do pronunciamento de Bolsonaro. Mas, ao saber o teor da declaração, Alves a considerou "um absurdo" e disse que "não são termos" aceitáveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.