Mares Guia é convocado para depor sobre morte de modelo

Convocado na segunda-feira por promotores da Vara de Execuções Criminais do Ministério Público para depor no inquérito sobre a morte da modelo Cristiana Ferreira, de 24 anos, encontrada morta num flat de luxo de Belo Horizonte em 2000, o futuro ministro do Turismo, o deputado Walfrido Mares Guia (PTB), mostrou-se indignado com a convocação. Conforme o deputado, ele teve contato com a modelo apenas por duas vezes, há seis anos. A primeira vez no Aeroporto da Pampulha e a outra, três semanas depois, em seu gabinete. Porém, o advogado da família de Cristiana, Rui Caldas Pimenta, revela que Mares Guia foi citado por diversas vezes nos laudos do inquérito que investiga a morte da modelo como uma pessoa de rpesença constante na vida de Cristiana. De acordo com advogado Pimenta, o depoimento de Mares Guia irá enriquecer ainda mais o inquérito, por se tratar de uma pessoa com uma vida pública e que foi citada, por diversas pessoas, nos depoimentos ligados ao caso. "Tem vários depoimentos nos autos, tanto de pessoas da família quanto de outras testemunhas, que citaram o envolvimento do deputado com Cristiana. Por isso, achamos importante a presença do deputado no Ministério Público. Suas declarações ajudarão muito no esclarecimento dos fatos", disse Pimenta.Para o advogado da família da modelo Cristiana, apesar de o futuro ministro tentar minimizar o seu envolvimento com a modelo, conforme depoimentos nos autos da promotoria, a ligação e o contato entre os dois era constante. Segundo Pimenta, está retratado nos autos que, por diversas vezes, o deputado fez viagens na companhia da modelo que também teria prestado serviços na área de informática no gabinete de Mares Guia. "Estas informações também são de pessoas da família e de fora da família. As testemunhas dão conta que o deputado fez diversas viagens com Cristiana, inclusive para Brasília. Além disso, Cristiana também fazia alguns serviços de informática para o deputado", afirmou o advogado da família da modelo.Outro fato que deixou Mares Guia "perplexo e estupefato", foi a convocação de sua esposa, a empresária Sheila Mares Guia, para prestar depoimento no Ministério Público. O deputado chegou a dizer que não teria cabimento envolver o nome de sua mulher baseado numa "suposta ameaça de uma mulher qualquer", e fez ameaças. ?Isso não vai ficar assim", disse ele, referindo-se a uma suposta armação envolvendo seu nome no momento em que seria indicado Ministro do Turismo. Mas, segundo Pimenta, a mulher de Mares Guia também é citada por várias vezes nos autos por familiares de Cristiana, que disseram que a empresária teria ligado diversas vezes para a casa da modelo, fazendo ameaças. "Os familiares de Cristiana revelaram que as ligações de Sheila, em determinada época, eram constantes, quando ela exigia que a modelo se afastasse do marido. As duas chegaram até, conforme os familiares, a ter um encontro em Brasília, quando Cristiana foi novamente avisada para não ter mais qualquer tipo de relação com Walfrido", disse o advogado da família.Mares Guia reconheceu que teve mesmo dois contatos, há seis anos, com a modelo, quando era vice-governador de Minas Gerais, no mandato do tucano Eduardo Azeredo. Mas, procurado pela reportagem, através de familiares, informou que não iria comentar as declarações do advogado, deixando para prestar esclarecimentos quando for acertado o seu depoimento no Ministério Público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.