Mares Guia confirma que irá depor na segunda

O futuro ministro do Turismo, deputado federal Walfrido Mares Guia (PTB-MG), confirmou neste domingo que irá depor amanhã aos promotores que investigam a morte da modelo Cristiana Aparecida Ferreira, cujo corpo foi encontrado em um flat deluxo na zona Sul da capital mineira, em agosto de 2000. O deputadodisse que decidiu dispensar suas prerrogativas parlamentares e resolveu se apresentar espontaneamente ao Ministério Público antes de tomar posse. Ele adiantou que deverá estar acompanhado de sua mulher, a empresária Sheila Mares Guia, que no dia 23 último também foi incluída na lista pessoas que seriam indiciadas pelo MP, anunciada pelo promotor Luís Carlos Martins Costa. Familiares da modelo, segundo o advogado Rui Caldas Pimenta, acusam Sheila de ter feito ameaças a Cristiana. Mares Guia, que já tem como advogado o ex-procurador-geral de Justiça de Minas, Castelar Modesto Guimarães Filho, contratou os serviços do ex-procurador-geral da República, Aristides Junqueira. A previsão é que depoimento ocorra às 15h, na Procuradoria Geral de Justiça do Estado.O futuro ministro já adiantou que vai dizer aos promotores que recebeu Cristiana em seu gabinete há aproximadamente cinco ou seis anos, quando ainda era vice-governador do Estado. Na audiência, a modelo, segundo ele, lhe solicitou um emprego em Brasília, pois queria mudar-se para a capital federal. O primeiro encontro teria acontecido no Aeroporto da Pampulha, três semanas antes, quando foi abordado pela jovem.?Por trás?O petebista afirma que quer colocar ?um fim? no que classifica com o ?infâmia e injustiça? que está sendo feita contra ele e sua família. Sem entrar em detalhes, diz que quer saber ?o que está por trás? do anúncio do MP de que seria intimado a depor, justamente no dia em que era apresentado como futuro ministro do Turismo pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva.Na semana passada, Lideranças do PT mineiro defenderam que Mares Guia não assuma a pasta do Turismo enquanto a morte da modelo não for esclarecida pela Justiça. Seu nome sofreu resistências entre os petistas mineiros. Entre as críticas mais contundentes que fazem ao deputado, é o fato de o então vice-governador ter conduzido o processo de venda de parte das ações da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), em 1997. Os sócios estrangeiros foram afastados mais tarde da direção da empresa pelo governador Itamar Franco (sem partido), queconseguiu a anulação do acordo na Justiça. Na última sexta-feira, o secretário de Governo e Assuntos Municipais, Henrique Hargreaves, prestou depoimento aos promotores que apuram o caso. Hargreaves se apresentou espontaneamente e foi ouvido durante três horas e meia. Ele admitiu ter conhecido Cristiana, mas negou qualquer envolvimento com a modelo. O MP anunciou que também será chamado a depor o vice-governador de Minas, Newton Cardoso (PMDB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.