Reprodução
Reprodução

Marcos Valério é preso em BH por grilagem de terra

Advogado do empresário negou relação com o mensalão; empresário e ex-sócios serão levados ainda nesta sexta para a Bahia

Solange Spigliatti, do Estadão.com.br, e Marcelo Portela, de O Estado de S.Paulo,

02 de dezembro de 2011 | 08h40

SÃO PAULO - Dezesseis pessoas foram presas, entre elas o empresário Marcos Valério e três ex-sócios da empresa DNA Propaganda, durante a Operação Terra do Nunca, desencadeada nos Estados da Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Marcos Valério e seus ex-sócios foram presos na região da Pampulha, em Belo Horizonte e o restante em Barreiras, na Bahia. Segundo informações do MP, trata-se de uma ação conjunta entre a Polícia civil e o Ministério Público da Bahia (MP). Os detidos serão enviados a Salvador para prestar depoimento.

 

A operação visa a cumprir 23 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça baiana nos três Estados. De acordo com as primeiras informações da Polícia Civil baiana, as investigações duraram 17 meses e Valério e os outros detidos são acusados de falsificação de documentos públicos, falsidade ideológica e corrupção ativa e passiva.

 

A Operação Terra do Nunca, que levou à prisão também de Ramón Hollebach Cardoso, Francisco Castilho e Margarete de Freitas, foi realizada pela Polícia Civil da Bahia e de Minas Gerais em parceria com o Ministério Público da Bahia. De acordo com informações do MP, Marcos Valério atuava em conjunto com advogados e oficiais de cartório de Registro Gerais de Imóveis e de Tabelionato de Notas na falsificação de documentos públicos, criando matrículas falsas de imóveis inexistentes e da União. Segundo o MP, o objetivo era entregar esses documentos para garantir dívidas das empresas de Marcos Valério.

 

Marcos Valério é apontado pelo Ministério Público Federal como operador do suposto esquema de propinas a parlamentares conhecido como "mensalão', que teria sido financiado pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em troca do apoio político no Congresso. O julgamento do mensalão no STF está marcado para 2012.

 

Sem ligação com o mensalão

 

Segundo o advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, seu cliente está 'absolutamente surpreendido' com a prisão. Em entrevista à rádio Estadão ESPN, Leonardo negou qualquer ligação dessa prisão com o mensalão. Se refere a fatos de 2003 ou 2004, porque a única ligação que existe da empresa com o sul da Bahia é o fato dela ter adquirido um imóvel no Sul da Bahia nessa época. "Se houve alguma irregularidade, não foi praticada por eles, mas pode ter sido por ter sido praticada por alguém na própria Bahia", afirmou.

 

O advogado afirmou que desconhecia o processo e diz que a prisão não tinha motivo. "Não tivemos acesso à decisão. O mandado não diz o motivo e nem o artigo em que eles estariam enquadrados", criticou. De acordo com Leonadro, no momento, o interesse da defesa é obter acesso ao processo e à decisão para depois pensar em alguma medida.

 

Ele informou que o mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz da Comarca de São Desidério, no sul da Bahia. A prisão foi decretada contra Marcos Valério e os sócios da empresa DNA Propaganda Ramón Hollebach Cardoso, Francisco Castilho e Margarete de Freitas, que também foram presos em Belo Horizonte. Eles vão passar por exame médico legal e devem seguir de avião para a Bahia ainda nesta sexta-feira, 2.

(Atualizada às 10h55 para acréscimo de informações)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.