Marco Maia vai ao Ministério Público para decidir como agir no caso Roriz

Presidente da Câmara vai pedir mais informações sobre o processo que envolve a deputada Jaqueline Roriz para analisar qual a medida cabível

Denise Madueño e Leandro Colon, de O Estado de S. Paulo

04 de março de 2011 | 17h48

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), vai pedir informações ao Ministério Público antes de decidir o que será feito em relação à deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF). A deputada foi flagrada em vídeo, em poder do Ministério Público, recebendo um maço de dinheiro do pivô do "mensalão do DEM", o ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa, escândalo que levou à prisão e queda do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda. O esquema foi desmantelado pela operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal.

  Veja também

linkPSOL defende afastamento de Jaqueline Roriz

linkEXCLUSIVO: Vídeo flagra filha de Roriz recebendo propina no DF

linkESPECIAL: Entenda a operação Caixa de Pandora

"Eu vou encaminhar imediatamente um pedido de mais informações ao Ministério Público sobre o andamento do processo para que possa subsidiar uma decisão sobre o procedimento a ser tomado na Câmara", afirmou Maia. O presidente da Câmara disse que, com os dados da investigação desenvolvida até agora, ele vai analisar se cabe a abertura de um processo de cassação no Conselho de Ética ou qual medida é mais cabível no caso.

Defesa de Arruda. A defesa do ex-governador Arruda manifestou-se sobre a revelação de vídeo. "O vídeo da Jaqueline comprova que o esquema de corrupção do qual Durval fazia parte existia no governo Roriz", disse o advogado Cristiano Maronna, que defende Arruda no inquérito que corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Segundo ele, o vídeo "reforça a tese de que Arruda tentou acabar com ele (esquema de corrupção), mas foi derrubado pelos interessados na sua manutenção". O vídeo com as imagens de Jaqueline foi gravado na campanha eleitoral de 2006, na sala de Barbosa, delator do escândalo de corrupção conhecido como "mensalão do DEM". O esquema foi desmantelado pela operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, e acabou derrubando José Roberto Arruda do governo do DF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.