Marco da mineração deverá vigorar em 2014, diz deputado

A queda do regime de urgência do marco da mineração era um compromisso do governo federal e dará ao Congresso Nacional um tempo satisfatório para a discussão do projeto de lei, disse em entrevista ao Broadcast, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, o deputado federal Leonardo Quintão (PMDB/MG), que é relator da Comissão Especial criada para tratar do marco. "A urgência não caiu antes por questões de burocracia", destacou. Apesar da queda da urgência o marco deverá entrar em vigor em 2014, e substituir, assim, o marco em vigor em 1967.

FERNANDA GUIMARÃES, Agência Estado

23 de setembro de 2013 | 12h18

Quintão lembrou que até a primeira semana de outubro as audiências públicas que estão ocorrendo nos Estados produtores deverão terminar e, segundo o deputado, o documento com análise do marco será entregue no dia 15 de outubro próximo.

O relator do marco disse que as audiências têm sido importantes para informar os agentes do setor sobre o projeto e lembrou que ainda há desconhecimento sobre o tema.

Umas das tendências é que ocorra uma flexibilizarão do tempo de outorga de minas. Disse também que a Comissão analisa, por exemplo, as especificidades da indústria dos agregados.

Ainda sobre o marco, o deputado disse que a Comissão vem estudando mecanismos para que as pequenas e médias empresas de pesquisa mineral possam continuar no mercado, assim como permitir a existência das companhias "junior mining". "Vamos garantir novas descobertas" , disse.

O relator do marco disse que um dos maiores gargalos do marco hoje é o orçamento da Agência Nacional de Mineração (ANM), que irá substituir o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Segundo o deputado há uma reunião marcada no Ministério do Planejamento para discussão do orçamento da agência reguladora. "Queremos uma agência robusta, qualificada, técnica, com equipamentos", frisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.