André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Marco Aurélio prorroga prazo de inquérito contra Renan e Bezerra

Os dois são investigados por supostos crimes de corrupção e lavagem em trecho da transposição do São Francisco

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

10 Março 2018 | 17h39
Atualizado 10 Março 2018 | 19h57

BRASÍLIA - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais 60 dias o prazo para conclusão do inquérito que investiga os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Essa é a segunda vez que o ministro autoriza a prorrogação. Na primeira, em 24 de agosto de 2017, o prazo foi estendido por 30 dias. Os dois são investigados por terem supostamente praticado crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da obra Canal do Sertão, trecho da Transposição do Rio São Francisco, realizada em Alagoas.  

+++ Delações apontam R$ 5,1 mi por obra no Rio São Francisco

A decisão de Marco Aurélio, relator do caso, foi tomada após solicitação da Polícia Federal, acolhida pela Procuradoria-Geral da República (PGR). 

+++ Delações conduzidas por Miller ‘são mentirosas’, diz Renan à PF

"Cumpre dar sequência às investigações, dirigidas à elucidação dos fatos. Defiro a dilação (prorrogação) do prazo por 60 dias, tal como postulado pela autoridade policial e chancelado pela Procuradoria-Geral da República", afirmou o ministro.

+++ 'Lula e Renan Calheiros se merecem', diz Doria

Em parecer enviado à PGR em janeiro deste ano, o delegado Antonio José Silva Carvalho, responsável pelo caso, afirmou restarem diligências pendentes, o que justificaria a necessidade de prorrogação de prazo para a conclusão da investigação. 

O delegado indicou como indispensáveis as oitivas de Inácio Loyola (deputado estadual e suposto beneficiário de doação do MDB de Alagoas), Carlos Fadigas (ex-presidente da Braskem), Marcelo Cerqueira (vice-presidente da unidade de petroquímicos básicos da Braskem), Isaias Ubiraci e Fernando Migliaccio (ex-executivo da Odebrecht), com o intuito de "identificar os operadores do senador Renan Calheiros e Fernando Bezerra Coelho". 

Além disso, afirmou ser necessária a análise, e eventual perícia, em dados dos sistemas utilizados pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht - conhecido como o "Setor de Propinas" da empresa - "my web day" e "drousys". Nesta semana, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, acolheu a solicitação do delegado.

Investigação

A Odebrecht teria pago R$ 5,1 milhões em suborno e caixa 2 a quatro políticos nordestinos para destravar as obras. Conforme depoimentos de seis delatores, os valores foram repassados ao ex-governador de Alagoas Teotônio Vilela Filho (R$ 2,8 milhões), do PSDB; ao senador e ex-ministro da Integração Nacional Fernando Bezerra Coelho (R$ 1,05 milhão), então PSB; e ao senador Renan Calheiros (R$ 500 mil). 

O então procurador-geral da República à época, Rodrigo Janot, também considera que uma doação oficial de R$ 829 mil à campanha do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), filho de Calheiros, em 2014 foi propina envolvendo os interesses da empreiteira no projeto. 

O inquérito foi aberto pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, em abril de 2017, tendo sido redistribuído ao ministro Marco Aurélio por não ter apresentado conexão com os fatos apurados na operação. 

Defesa

Procurado, o advogado do senador Fernando Bezerra Coelho, André Luís Callegari, afirmou que a defesa está confiante de que nenhum ato ilícito será encontrado em relação ao parlamentar. "A prorrogação é normal nos inquéritos e seguiremos acompanhando o trâmite da investigação." 

A defesa de Renan disse que o senador está à disposição para contribuir com as investigações para "esclarecer a verdade dos fatos". "Quanto à prorrogação do inquérito, tanto a defesa quanto o próprio senador Renan estão à disposição para contribuir com o bom andamento das investigações, de modo que a Polícia Federal possa concluir e ao fim esclarecer a verdade dos fatos à sociedade brasileira", disse, em nota, o advogado Luís Henrique Machado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.