DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Marco Aurélio Garcia rebate Serra e ironiza ‘cabeças iluminadas’

Ex-assessor para assuntos internacionais dos governos do PT afirmou que declarações do tucano estão vinculadas ao que chamou de “aspirações” do ministro de ser candidato à Presidência

LU AIKO OTTA, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2016 | 07h34

Marco Aurélio Garcia, ex-assessor especial para assuntos internacionais nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, rebateu o discurso de posse do ministro José Serra (Relações Exteriores), no qual o tucano afirmou que a diplomacia brasileira atenderá aos interesses de toda a sociedade, e não de um governo ou de um partido. Segundo o petista, as declarações de Serra contêm “imprecisões” e estão vinculadas ao que chamou de “aspirações” do ministro de ser candidato à Presidência, em 2018.

“Para defender o interesse nacional, é preciso saber o que é. Não é o que está na cabeça de pessoas iluminadas, mas é algo que decorre da vontade popular”, disse Garcia. Para ele, as urnas em 2014 deram a vitória ao projeto do PT, que seria representado somente por Dilma.

Garcia disse ter visto o discurso de Serra como uma “ameaça” a um preceito da política externa das gestões petistas: uma ênfase à América Latina. “Não vimos nenhuma manifestação entusiasmada com o golpe de tipo novo que teve no Brasil.”

Garcia apontou como exemplo de “imprecisões” do novo governo a decisão de dar prioridade aos acordos bilaterais e, ao mesmo tempo, ressaltar a importância do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, que é multilateral.

Sobre as críticas à ênfase dada a países africanos, Garcia disse que “papel aguenta qualquer coisa”. Ele afirmou que, nas gestões do PT, o comércio com a África quintuplicou. “Isso não é só compaixão.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.