Marco Aurélio Garcia diz que chanceler israelense foi 'descortês' com o Brasil

Assessor especial da Presidência comentou boicote de Lieberman à visita de Lula a Israel.

Guila Flint e Silvia Salek, BBC

16 de março de 2010 | 10h00

O assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, classificou como uma "descortesia" o boicote do ministro das Relações Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, à visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Israel.

A atitude do chanceler israelense seria uma reação ao fato de a comitiva brasileira ter recusado o convite para visitar o túmulo de Theodor Herzl, fundador do movimento sionista cujo aniversário de 150 anos está sendo comemorado pelo governo de Israel.

Garcia lembrou que quando o ministro israelense visitou o Brasil no ano passado, "o presidente Lula o recebeu com a maior cortesia, e chegou a abrir uma exceção, porque normalmente presidente recebe presidente e seria de praxe que o chanceler tivesse sido recebido pelo nosso chanceler".

"Portanto, podemos classificar a atitude de Lieberman como um ato de descortesia", disse Garcia em entrevista coletiva em Jerusalém.

No entanto, o assessor especial minimizou o impacto do boicote do chanceler israelense à visita de Lula.

"De jeito nenhum. Isso não compromete o sucesso da visita a Israel", garantiu. Segundo ele, a viagem oficial conseguiu, apesar dessa divergência, aproximar os dois países.

Garcia contou que o chefe de Estado brasileiro reagiu com tranquilidade à notícia do boicote de Lieberman.

"O presidente Lula tem mais coisas com o que se preocupar do que com esse assunto", explicou Garcia.

O assessor explicou que a comitiva brasileira recusou-se a ir ao túmulo porque essa visita não estava prevista na agenda previamente acordada. Porém, o assessor não deu detalhes de como nem quando foi feito o convite por parte do governo israelense.

A respeito das críticas que o Brasil vem recebendo por manter uma aproximação com o Irã, o assessor da Presidência disse que o governo brasileiro pretende manter a política de diálogo com o presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad.

Marco Aurélio Garcia fez as declarações após o presidente brasileiro ter cancelado a entrevista coletiva que estava programada para esta terça-feira. Lula já segue para Belém, na Cisjordânia, onde se encontrará com o presidente palestino Mahmoud Abbas na segunda etapa da sua primeira visita à região.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.