Marco Aurélio Garcia defende escolha de caças franceses

Assessor da presidência não descartou, no entanto, análise de propostas dos concorrentes

estadão.com.br,

09 de setembro de 2009 | 19h02

O assessor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, defendeu nesta quarta-feira, 9, a "decisão política" do governo brasileiro de estabelecer uma parceria preferencial com a França na aquisição de caças, submarinos e helicópteros. O assessor afirmou, porém, que não há nenhuma restrição a quaisquer tipos de aviões de outros países e que o Brasil pode negociar também com outros que façam propostas "tão atraentes ou mais atraentes" que as dos franceses, com transferência de tecnologia.

 

Veja Também

linkCompra de 36 Rafale deve ser concluída em até nove meses

linkJobim diz que decisão sobre caças não está concluída

 

Também nesta quarta-feira, Lula evitou responder a pergunta de repórteres sobre a negociação para a aquisição dos aviões. Ao ser questionado se é definitiva a decisão do governo brasileiro de comprar caças franceses, ao mesmo tempo que a Boeing, dos Estados Unidos, acreditava que poderia fechar negócio com o Brasil, o presidente respondeu: "daqui a pouco vou receber de graça".

 

O anúncio antecipado de que o governo brasileiro abriu negociações para a compra de 36 aviões Rafale, da francesa Dassault, na segunda-feira, 7, gerou mal-estar no ministério da Defesa e entre os militares. Surpreendido, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, disse ao presidente que precisava dar uma satisfação aos concorrentes da empresa francesa.

 

Embora a informação sobre a preferência pelo Rafale tenha sido reafirmada na terça-feira, pelo Planalto, ao jornal O Estado de S. Paulo, o governo admitiu que atropelou as regras formais da concorrência. Foi esse atropelo e o incômodo provocado na Aeronáutica e entre os concorrentes da Dassault que levaram o Ministério da Defesa a divulgar na terça-feira nota para deixar registrado que "o processo de seleção ainda não está encerrado".

 

Se, por um lado, as declarações de Garcia reforçam a tentativa do governo de diminuir o mal-estar, por outro, o assessor do presidente deixou claro que, pelo menos até o momento, para o governo, a proposta francesa é a mais vantajosa.

 

Segundo ele, a transferência de tecnologia prevista no acordo com a França foi um ponto fundamental para a opção brasileira. Mas o assessor presidencial fez a ressalva: "Pode haver processo de negociação com os três (França, Estados Unidos e Suécia). No momento em que os EUA, ou os fabricantes do Gripen (suecos), fizerem uma proposta como aquela feita pelos franceses, nós vamos considerar", disse.

 

Em relação à nota divulgada pelo governo dos EUA avisando que o Congresso daquele país aprovou a transferência de tecnologia para o Brasil, o assessor de Lula reagiu: "É? Se houver transferência de tecnologia..."

 

Temor dos EUA

 

Em resposta à observação de que os EUA afirmam que sua venda inclui transferência de tecnologia, Marco Aurélio Garcia disse: "Transferência de tecnologia é um termo muito geral. Nós queremos saber de transferência efetiva de tecnologia. Em segundo lugar, precisamos saber se nós não vamos sofrer nenhum tipo de restrição, como, por exemplo, sofreu o Super Tucano." Ele se referia a episódio recente em que os EUA impediram a venda do avião Super Tucano à Venezuela porque o aparelho, fabricado no Brasil, tem componentes de tecnologia norte-americana.

 

Questionado se esse é o medo do Brasil em relação a uma parceria com os americanos, Garcia respondeu: "É o medo de qualquer país do mundo que se preze. Esse antecedente não é bom, e os diplomatas americanos reconheceram que esse não era um bom antecedente."

 

Garcia, reiterando que o governo não está fechado à negociação com nenhum país, afirmou: "Estamos conversando com o governo francês. Se houver outras propostas tão atraentes ou mais atraentes que as do governo francês, obviamente vamos discutir."

 

Ele insistiu em que o Brasil tem "boa experiência de parceria com os franceses, que se refletiu nos submarinos e helicópteros adquiridos na França."

 

O assessor presidencial qualificou de "efetiva transferência de tecnologia" a reserva de mercado concedida pela França ao Brasil para vender na América Latina e África os helicópteros franceses que serão fabricados no Brasil. "Isso é um antecedente importante", declarou Garcia.

 

Com informações de Leonencio Nossa, Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
caçasMarco Aurélio Garciafrançaeua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.