Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Marco Aurélio critica gestão de Joaquim Barbosa no STF

Ministro espera mais diálogo com Ricardo Lewandowski na presidência e cita atritos da gestão anterior com segmentos da 'magistratura, Ministério Público, Defensoria e os demais poderes'

JOSÉ ROBERTO CASTRO, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 11h41

Ao comentar a posse de Ricardo Lewandowski como novo presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Marco Aurélio Mello criticou o antigo colega Joaquim Barbosa, último a presidir a corte. Marco Aurélio, um dos mais antigos integrantes do Supremo, disse à Rádio Estadão que espera que a gestão de Lewandowski seja "uma época de diálogo maior". "Diálogo que não tivemos na gestão imediatamente anterior ante os inúmeros atritos surgidos com segmentos da magistratura, Ministério Público, Defensoria e os demais poderes", afirmou Marco Aurélio, que discursa na posse marcada para a tarde desta quarta-feira, 10.

Sobre a gestão de Barbosa, Marco Aurélio admitiu que a maneira como o antigo colega conduzia as sessões atrasava o andamento dos processos. "As sessões ficaram um pouco mais demoradas pelos incidentes verificados e as discussões por vezes descambaram para um campo que não é o do Supremo."

Questionado sobre o processo do mensalão, quando Barbosa e novo presidente da Corte travaram vários embates, Marco Aurélio disse que "a história fará justiça aos votos proferidos pelo ministro Ricardo Lewandowski". "O que não dá é para partir para a intolerância ou não aceitar o entendimento diverso do colega", afirmou.

O ministro falou ainda sobre o papel do presidente da Corte e disse que notou, nas últimas semanas, período em que Lewandowski liderou o Supremo interinamente, uma maior produção no plenário. Na opinião de Marco Aurélio, Lewandowski deve reformular o papel do Conselho Nacional de Justiça para que ele deixe a função de "simples corregedoria" e passe a programar "o Judiciário que queremos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.