Marco Ambrosio
Marco Ambrosio

Márcio França entra na disputa pela presidência do PSB

Vice-governador de SP quer, com o cargo, pavimentar o apoio do partido à candidatura de Alckmin ao Planalto

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2017 | 05h00

Um dos principais articuladores da pré-candidatura presidencial do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o vice-governador Márcio França atua nos bastidores para assumir a presidência nacional do PSB. 

Atual secretário de Finanças do diretório nacional e presidente da legenda em São Paulo, França espera assumir o cargo para pavimentar o apoio dos pessebistas ao projeto do tucano. 

Alckmin, que disputa internamente no PSDB a vaga de candidato em 2018 com os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP), recebeu sinais de que o PSB estaria disposto a lançá-lo na disputa caso ele não se viabilize pela sigla. Se conseguir a vaga, o governador paulista teria o PSB em seu palanque. 

Embora negue a intenção de deixar o PSDB, Alckmin pressiona a executiva tucana a antecipar a escolha do candidato do partido – ou pelo menos regulamentar o processo de prévias – até outubro. 

França deve se reunir nesta semana com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e com o presidente da legenda, Carlos Siqueira, para tratar do assunto. 

Mesmo após a morte do ex-governador Eduardo Campos, o Estado continuou sendo, ao lado de São Paulo, o principal polo de poder do PSB, que tem sete senadores, três governadores, 33 deputados federais e o ministro das Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho. 

Renovação. Procurado pelo Estado, Carlos Siqueira disse que não pretende tratar publicamente do assunto até julho, quando o PSB começará seu processo interno de renovação de quadros. Pelo estatuto do partido, a escolha dos dirigentes começa com a eleição de delegados municipais. Em seguida, entre agosto e setembro, esses quadros elegem os delegados estaduais, que, por sua vez, escolhem os nacionais. 

A reportagem apurou que Paulo Câmara resiste à escolha de França para presidir o partido. A princípio, o governador pernambucano tende a apoiar a reeleição de Siqueira, que é pernambucano e era um dos mais próximos de Eduardo Campos. 

Aliados de Alckmin avaliam, porém, que a boa a relação entre o tucano, Paulo Câmara e a família de Campos pode abrir caminho para um acordo.

Em dezembro, o governador paulista assinou no Palácio dos Bandeirantes um termo de empréstimo de bombas para combater a seca nos Estados da Paraíba e Pernambuco.

Antes disso, em outubro, ele viajou a Pernambuco para o lançamento de testes de vacina de combate à dengue e aproveitou para se reunir reservadamente com Paulo Câmara. 

Dobradinha. Ao analisar o cenário para as eleições de 2018, aliados de Márcio França e políticos tucanos com trânsito no Palácio dos Bandeirantes sonham com uma chapa encabeçada por Alckmin e com o governador de Pernambuco como vice. 

Além de unir PSB e PSDB, essa composição estabeleceria uma base consistente no Nordeste, onde reside o eleitorado mais forte de dois pré-candidatos da oposição: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT). 

A “opção Alckmin” esbarra, entretanto, na resistência dos setores mais “ideológicos” do PSB. Esses grupos, que foram contra o impeachment de Dilma Rousseff, estão concentrados justamente em diretórios nordestinos, especialmente na Paraíba.

Esse setor pressiona, por exemplo, para que o PSB se coloque contra a reforma da Previdência proposta pelo presidente Michel Temer. Por outro lado, a condução de França ao comando partidário contaria, segundo a avaliação de dirigentes pessebistas, com o apoio da maioria da bancada na Câmara, além da simpatia do senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.