Marcio Fortes vira ‘plano C’ para aviação civil

Espera por resposta de Rossano Maranhão faz surgirem como opções o ex-ministro e, antes dele, atual presidente da Oi

Edna Simão, de O Estado de S. Paulo

17 de março de 2011 | 23h00

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff está colecionando nomes de executivos que podem ser utilizados para ocupar cargos no governo. A lista de "planos B" já considera inclusive os titulares de cargos que ainda precisam ser criados, como a Secretaria Nacional de Aviação Civil.

 

Para assumir a futura pasta, o nome favorito de Dilma é o do atual presidente do Banco Safra, Rossano Maranhão. Se ele realmente recusar o convite para o cargo, que terá status de ministro, um dos nomes cotados é Luiz Eduardo Falco, hoje presidente da Oi. Além dele, existe a possibilidade "pequena" de indicação do ex-ministro das Cidades, Marcio Fortes.

 

Desde o ano passado, surgem pelo Planalto boatos sobre convites do governo federal para que Rossano trocasse a iniciativa privada por um cargo público - todos teriam sido recusados. Agora, o convite foi feito oficialmente e a demora de Rossano em dar uma resposta definitiva sobre o assunto só estimula especulações sobre novos nomes.

 

Como a primeira opção do governo para o cargo é Rossano, Dilma não tem poupado elogios ao executivo, que já ocupou a presidência do Banco do Brasil (BB). Ontem, em entrevista ao jornal Valor Econômico, ela afirmou que o nome de Rossano já foi cogitado para vários cargos públicos desde o governo Luiz Inácio Lula da Silva. "Nós o consideramos um excepcional executivo."

 

Comércio exterior. Embora o nome de Fortes seja uma alternativa para a Secretaria Nacional de Aviação Civil, a intenção de Dilma seria indicar o ex-ministro para o comando do Eximbank brasileiro - uma estrutura administrativa dedicada exclusivamente a financiar as exportações e a produção destinada ao mercado exterior ligada ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

Desde a época em que eram colegas de ministério, Fortes tinha bom relacionamento com Dilma - ele em Cidades, ela na Casa Civil. Fortes era responsável por programas prioritários do governo nas áreas de habitação e saneamento básico do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), incluindo o Minha Casa, Minha Vida.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.