Marcha do Salário Mínino deve reunir 10 mil em Brasília

A 3ª Marcha Nacional do Salário Mínimo deve reunir mais de 10 mil trabalhadores nesta quarta-feira em Brasília, de acordo com as principais centrais sindicais do país. Os manifestantes devem se concentrar no estacionamento do Estádio Mané Garrincha, de onde seguirão para o Congresso Nacional. As centrais reivindicam um salário mínimo de R$ 420, um reajuste de 7,7% da tabela do Imposto de Renda, e a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais. O presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique, reiterou nesta terça-feira, durante coletiva em Brasília, os compromissos da marcha. "Mais do que valores e índices, buscamos estabelecer uma política de valorização permanente do salário mínimo, que seja assumida enquanto política de Estado e não, de governo", declarou.Artur destacou ainda que o aumento do salário mínimo poderá dinamizar a economia. "Isso gera mais consumo e aumenta a produção, impactando positivamente também na arrecadação, em mais de R$ 9,6 bilhões, desde as contribuições para a Previdência, nos tributos e na economia como um todo", afirmou.Segundo documento conjunto das centrais, cerca de 43 milhões de trabalhadores, no mercado formal e informal, recebem até dois salários mínimos. Outros 16 milhões de aposentados e pensionistas recebem até um. As centrais ressaltam também que "o salário mínimo é referência para as remunerações de baixa renda, piso de benefícios, previdenciários, valor do seguro-desemprego, abono salarial e auxílio-maternidade".No próximo dia 7, a CUT, a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), a Central Autônoma de Trabalhadores (CAT), a Força Sindical e a Social Democracia Sindical (SDS) têm uma audiência marcada com os ministros do Trabalho, Luiz Marinho, e da Previdência, Nelson Machado. No mesmo dia, os sindicalistas se reúnem com o presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo, no gabinete da Presidência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.