Marcha de trabalhadores pede garantia de empregos e de renda

Participaram da 5ª Marcha da Classe Trabalhadora em Brasília representantes de seis centrais sindicais

Agência Brasil,

03 de dezembro de 2008 | 20h01

Centrais sindicais realizaram nesta quarta-feira, 3, marcha na Esplanada dos Ministérios em defesa dos empregos e da garantia de renda e contra os efeitos da crise financeira internacional. Os trabalhadores temem que a crise provoque demissões em vários setores. Participaram da 5ª Marcha da Classe Trabalhadora representantes de seis centrais sindicais, entre as quais a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical. O tema deste ano foi Desenvolvimento e Valorização do Trabalho.  Segundo o deputado e presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), a principal preocupação dos trabalhadores é a manutenção do emprego. Também está na pauta de reivindicações das centrais sindicais a redução dos juros, a diminuição do superávit primário, a correção da tabela do Imposto de Renda e o aumento de seis para dez das parcelas do seguro-desemprego. O presidente da CUT, Artur Henrique da Silva Santos, ressaltou que existe também uma pauta de reivindicações específica para o Congresso Nacional, pois há projetos de interesse dos trabalhadores tramitando nas duas Casas (Câmara dos Deputados e Senado). Um dos projetos é o que reduz a jornada de trabalho de 40 para 35 horas semanais.  Além de manifestações como a marcha pela Esplanada, a mobilização dos trabalhadores incluiu reuniões entre os dirigentes das centrais e os presidentes da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e do Senado, Garibaldo Alves Filho (PMDB-RN), e com os ministros Carlos Lupi, do Trabalho; José Pimentel, da Previdência Social; Luiz Dulci, secretário-geral da Presidência da República; e Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil.

Tudo o que sabemos sobre:
Marchatrabalhadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.