Marcha de 1.200 pessoas do MST chega a Jordanésia

Manifestação tem objetivo de chamar atenção para a necessidade de realização da reforma agrária

AE, Agência Estado

08 de agosto de 2009 | 12h03

A Marcha Estadual de Campinas a São Paulo, iniciada na quinta-feira, 6, em Campinas e composta por 1.200 adultos integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e Via Campesina, chegou por volta de 12h20 deste sábado a Jordanésia, onde os manifestantes ficarão acampados até este domingo, quando saem rumo à quarta e última parada, em Osasco, antes de concluir o trajeto até a capital paulista.

 

A manifestação tem o objetivo de chamar a atenção das autoridades públicas para a necessidade de realização da reforma agrária e protesta também contra a exploração da classe trabalhadora, o aumento do desemprego como efeito da crise econômica mundial e a criminalização da luta social.

 

De acordo com um dos membros da coordenação nacional do MST Kelli Mafort, o percurso de 21 quilômetros entre Jundiaí, onde ficaram alojados de sexta para sábado e de onde saíram às 6 horas deste sábado, até Jordanésia, foi executado com tranquilidade. "A programação ao chegar no alojamento é descanso, atividades culturais, orientação e organização do próximo dia da marcha", afirmou a sem-terra.

 

Na última quinta-feira, uma integrante do movimento morreu atropelada por um caminhão, no quilômetro 79 da via sul da Rodovia Anhanguera. A marcha recebeu o nome da vítima do acidente, Maria Cícera Neves.

 

Aproximadamente cem crianças acompanham a manifestação e se deslocam em ônibus entre um ponto de descanso e outro. A previsão de chegada da marcha a São Paulo é para esta segunda-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTmarcha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.