Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

Marcha contra corrupção tem poucos adeptos em Brasília, BH e SP

Protestos marcados para o Dia da Proclamação da República foram realizados em pequenos grupos, mas foram abafados pela chuva forte que atingiu o País

Marcelo Portela, BELO HORIZONTE, e Agência Brasil,

15 de novembro de 2011 | 17h08

Um grupo de cerca de 30 pessoas protestou nesta terça, 15, em Brasília, contra a corrupção. Sob uma forte chuva, os manifestantes se reuniram embaixo da marquise do Museu da República, na região central da cidade. 

 

Tentativa era fazer uma marcha contra a corrupção nos moldes daquelas que foram programadas para ocorrer em várias cidades nesta terça-feira, Dia da Proclamação da República.

Com a forte chuva, o pequeno grupo resolveu estender uma bandeira do Brasil e caminhar até a Rodoviária do Plano Piloto, na região central da cidade.

 

Vestidas de preto, as 30 pessoas usavam adesivos com a frase “Fora Agnelo”, em referência ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, acusado de desvio de verba pública quando era ministro do Esporte.

 

 

 

 

Minas Gerais

 

 

 

A forte chuva que castigou Belo Horizonte, além de prejuízos à cidade, causou estragos também na marcha contra a corrupção programada para a tarde desta terça, 15. Ao contrário do que ocorreu no protesto realizado em outubro, que teve participação de cerca de 500 pessoas e passeata pelas principais vias da capital, nesta terça pouco mais de duas dezenas de manifestantes participaram do ato, sendo que não houve passeata.

Mesmo assim, um dos organizadores da marcha, o jornalista Tininho Silva, de 62 anos, afirma que o grupo manterá os protestos para "resgatar a cidadania, a honestidade na política e lutar contra essa corrupção que está arrasando o Brasil".

Além de Belo Horizonte, também havia convocação para a realização do protesto em cidades do interior de Minas como Caratinga, no Vale do Rio Doce, e Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Todas foram organizadas por meio de redes sociais na internet.

 

 

 

São Paulo

 

 

Na Avenida Paulista, cerca de 210 pessoas saíram sob uma chuva fina em passeata para protestar contra a corrupção. Elas carregavam faixas e gritavam palavras de ordem. No meio do protesto, fizeram uma pausa para cantar o Hino Nacional.

A manifestação foi organizada pela União contra a Corrupção, que reúne vários movimentos sociais, como a Marcha contra a Corrupção, o Movimento Brasil Social, os Revoltados Online e a Marcha nas Ruas. A expectativa dos organizadores do protesto era levar milhares de pessoas à Avenida Paulista.

Alguns dos participantes estavam com a cara pintada e outros usavam nariz de palhaço. Vestido de Tiradentes (José Joaquim da Silva Xavier, líder da Inconfidência Mineira considerado como o mártir da Independência do Brasil), o desempregado Luís Andriole aproveitou o ato para distribuir panfletos propondo uma votação para reduzir o número de parlamentares.

 

 

* Texto atualizado às 20h10

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.