REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Marcelo Queiroga tem a hombridade de Mandetta e Teich ou a subserviência de Pazuello?

O governo opera com gabinetes paralelos, acima dos ministérios e com capacidade de fazer a cabeça de Bolsonaro

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2021 | 03h00

Não foi por acaso que o auditor Alexandre Figueiredo Costa e Silva Marques plantou um estudo falso no site do Tribunal de Contas da União (TCU), sorrateiramente, num domingo à noite, e já na segunda-feira de manhã o presidente Jair Bolsonaro fazia uso político, e de certa forma imoral, para alimentar sua militância. Foi uma operação casada, deliberada, com inspiração no Planalto. 

É chocante, mas não novidade, já que o presidente é investigado pelo Supremo por ingerência política na Polícia Federal e já foi flagrado manipulando Coaf, Receita, PGR, AGU, Abin, Forças Armadas... E não foi em favor de projetos do governo, mas por interesses dele próprio, dos filhos e de aliados, como Centrão e igrejas evangélicas. 

O tal auditor é filho de um coronel da reserva que cursou a Academia Militar com Bolsonaro e é um dos milhares de militares com uma vaga bacana no governo do capitão insubordinado. Ao publicar a fake news no site do TCU, à revelia da direção do órgão, ele exercitou o “é dando que se recebe”. 

A presidente e o corregedor do TCU, Ana Arraes e Bruno Dantas, afastaram o servidor e abriram inquérito interno, mas o estrago está feito, o objetivo de Bolsonaro foi atingido: ele não vai parar de repetir que – como alardeava o falso texto – 50% dos óbitos por Covid não foram por Covid. É a nova fake news preventiva dele para sua tropa. Afinal, serão 500 mil mortos já, já. 

Epidemiologistas, infectologistas e entidades internacionais acham mais provável que o problema seja o contrário: subnotificação, não supernotificação. Com os números fora da curva de mortes por Síndrome Aguda Respiratória, a dedução é que muitas teriam sido, na verdade, pelo coronavírus. Mas os bolsonaristas não estão nem aí para a realidade, só vale a verdade paralela do “mito”. 

Apesar disso, a CPI da Covid avança na direção dos motivos e dos culpados por essas 500 mil mortes, muitas evitáveis pelas medidas mundialmente reconhecidas: isolamento social, máscara e vacina. Vai-se confirmando o quanto Bolsonaro guerreou contra todas as três. Ontem mesmo, anunciou o fim da máscara para vacinados, só faltou decretar: quem não usa é macho, quem não usa é marica. Um escândalo, uma provocação. E o ministro da Saúde, “o tal do Queiroga”, tem a hombridade de Mandetta e Teich, ou a subserviência de Pazuello? 

Os brasileiros colhem o que Bolsonaro plantou: a chegada tardia da Pfizer, a demora dos insumos da Coronavac e da Oxford-Astrazeneca, a desvantagem no consórcio Covax Facility. O Brasil, aliás, está fora das 500 milhões de doses de Joe Biden. Que tal? O coronel Élcio Franco alegou que o governo temia um “cemitério de vacinas”. Pois conseguiu um imenso cemitério de gente. Bolsonaro, porém, segue firme com seu “gabinete das trevas”, sem nenhum epidemiologista ou infectologista, que despreza a OMS, a FDA, todas as agências relevantes do mundo e até a nossa Anvisa. 

Assim como no caso do TCU, é chocante, mas não novidade. O governo opera com gabinetes paralelos, acima dos ministérios e com capacidade de fazer a cabeça do presidente – e o serviço sujo. Como o “gabinete das trevas” para a pandemia, há o “gabinete do ódio” para disseminar fake news a favor de Bolsonaro e contra os seus adversários ou críticos. E a revelação de disparos do Planalto e da casa do presidente no Rio de Janeiro... 

Esse governo paralelo é de quem diz o que Bolsonaro quer ouvir e não dá bola para ciência, medicina, lei, ética. Ele despreza tudo isso e já até tentou dizimar os conselhos de todas as áreas, sem sucesso. E quem esqueceu do veto à pesquisadora Ilona Szabó numa mera suplência de um conselho de segurança pública? Pois é. É como o presidente trata segurança e saúde. Logo, a vida e a morte.

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.