Marcelo Netto depõe na PF e não é indiciado

O jornalista Marcelo Neto, que usou hoje, em seu depoimento à Polícia Federal, o direito legal de permanecer calado, não foi indiciado pela Polícia Federal. Segundo informações da PF, o delegado Rodrigo Carneiro Gomes, que ouviu o depoimento de Netto não viu razões para incriminá-lo. Segundo a PF, no atual estágio das investigações, não houve nenhum elemento, prova material e nem mesmo uma acusação que incriminasse o jornalista pela quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa. Marcelo Neto esteve hoje na PF por mais de três horas. Ainda não há definição se ele prestará um novo depoimento. Netto deixou o prédio pela garagem privativa e não quis dar entrevista. Na entrada, o advogado do jornalista, Eduardo Toledo, disse que seu cliente era inocente das acusações de ter participado da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa e do vazamento dos extratos de sua conta de poupança na Caixa Econômica Federal para a imprensa. Toledo confirmou que Marcelo Netto esteve na residência de Palocci no dia 16 de março, quando funcionários da Caixa, a mando do então presidente da instituição Jorge Mattoso, violaram o sigilo do caseiro.Marcelo Netto foi interrogado hoje em razão da suspeita de que teria deixado vazar para a revista "Época" as informações sobre a movimentação registrada na conta do caseiro na Caixa Econômica Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.