Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Marcela Temer apresenta Palácio da Alvorada a Michelle Bolsonaro

Mulher do presidente eleito conheceu instalações da residência oficial onde vai morar a partir de janeiro

Larissa Lima, especial para o Estado

21 Novembro 2018 | 16h30

BRASÍLIA - De volta à Brasília após a eleição de Jair Bolsonaro, a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, reuniu-se nesta quarta-feira, 21, com a atual ocupante do posto, Marcela Temer, mulher do atual presidente Michel Temer. O encontro ocorreu no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, e durou pouco mais de uma hora.

Michelle chegou ao local pontualmente às 11h e despediu-se às 12h25. A esposa de Bolsonaro conheceu todas as instalações da residência em que deverá morar com a família a partir do ano que vem, incluindo o departamento Histórico do Planalto, os jardins e a capela.

Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, o casal Bolsonaro já ganhou um quarto no Alvorada. O cômodo foi decorado com tapete persa e móveis desenhados pela equipe do arquiteto Oscar Niemeyer, morto em 2012. A residência oficial passou por uma restauração neste ano e recuperou seu patrimônio, avaliado em R$ 2,5 milhões.  

Durante o encontro, que não pode ser acompanhado pela imprensa, Marcela e Michelle fizeram um lanche juntas e a mulher de Bolsonaro presenteou a atual primeira-dama. O objeto do agrado, porém, não foi informado.

Apesar de ser a residência oficial dos presidentes, o Alvorada está sem morador desde a saída da ex-presidente Dilma Rousseff, em setembro de 2016. Temer e Marcela preferiram continuar morando com o filho, Michelzinho, no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência.

Após sair do Planalto, Michelle seguiu para a Granja do Torto, residência presidencial que já está à disposição do presidente eleito no período da transição de governo. Mais cedo, no Centro Cultural Banco do Brasil, local onde se concentra a equipe de transição, a mulher de Bolsonaro disse que deseja participar de todos os projetos sociais possíveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.