Maratona de depoimentos e acareações no TSE já passa das cinco horas

Ação investiga se houve abuso de poder econômico pela chapa Dilma Rousseff-Michel Temer nas eleições de 2014

Rafael Moraes Moura, Beatriz Bulla e Breno Pires, Agência Estado

10 Março 2017 | 21h10

 

 

Brasília – O ministro Herman Benjamim, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concluiu há pouco as duas acareações realizadas entre o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht e ex-executivos da empreiteira.

 

Neste momento, a ex-secretária da empreiteira Maria Lúcia Tavares presta depoimento ao TSE por meio de videoconferência. Maria Lúcia atuou no Setor de Operações Estruturadas, onde foi responsável pela operacionalização dos pagamentos e controle da contabilidade do departamento.

 

Alvo da Operação Acarajé, Maria Lúcia fez no ano passado acordo com a força-tarefa do Ministério Público Federal. Em troca da liberdade e de um possível perdão judicial, relatou aos investigadores como funcionava o sistema de pagamento de propinas. A ex-secretária é considerada a testemunha-chave que levou o alto escalão da Odebrecht a fazer delação premiada.

 

Acareações. A primeira acareação realizada nesta sexta-feira foi entre Marcelo Odebrecht, Hilberto Mascarenhas, ex-funcionário da Odebrecht ligado ao “departamento de propina”, e o ex-executivo Benedicto Júnior. Durou cerca de duas horas.

 

O ex-executivo da Odebrecht Fernando Migliaccio foi chamado para participar dessa acareação, após ter prestado depoimento ao TSE horas antes.

 

Depois, Marcelo Odebrecht participou de uma segunda acareação, desta vez com o ex-diretor de relações institucionais da empreiteira Cláudio Melo Filho, que durou aproximadamente uma hora.

 

A maratona de acareações e depoimentos já dura mais de cinco horas e meia no TSE.

 

Em uma tentativa de evitar vazamentos, Benjamin decidiu restringir o número de advogados que poderão acompanhar o depoimento, que corre sob sigilo. O ministro determinou que cada uma das partes envolvidas na ação – PSDB, Dilma e Temer – tenha apenas um advogado nas oitivas. (Rafael Moraes Moura, Beatriz Bulla e Breno Pires)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.