André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Maranhão rompe silêncio e elogia Cunha em evento

Presidente interino da Câmara disse que o peemedebista tem 'espírito público' e que tem orgulho da mesa-diretora da Casa

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2016 | 07h40

BRASÍLIA - Durante um evento para celebrar a revitalização de uma superquadra em Brasília, na noite de terça-feira, 17, o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), rompeu o silêncio e elogiou o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em suas breves palavras, Maranhão enalteceu o peemedebista mais de uma vez, dando os créditos pelo projeto ao seu antecessor, que disse ter "espírito público". Ele disse ainda que Cunha "possui experiência" e é um homem "tarimbado".

"Para além desse momento, se Cunha aqui estivesse, estaria para contemplar seu feito. Mais uma iniciativa que acolheu o seu espírito público. Me orgulho de pertencer a uma mesa diretora de trabalho que tem dado a sua contribuição para o País", declarou Maranhão durante o seu discurso. Questionado se ele e Cunha mantêm contato, ele não respondeu. Interlocutores do presidente afastado dizem que ele é extremamente fiel ao peemedebista e que o visita na residência oficial quase todos os dias.

Maranhão voltou a dizer que não vai renunciar ao cargo de vice-presidente, como defendem partidos como DEM e PPS, e disse que as críticas fazem parte da democracia. "É preciso compreender que o Brasil é maior do que crise, e nós temos que dar a nossa contribuição. Cunha deu sua contribuição à construção de um projeto da Câmara, dando sequência às pautas. Portanto tem experiência, é um homem tarimbado, e com certeza significa para a República um homem público que deu e dará um estímulo pra que nós possamos compreender o papel do Parlamento."

Entre as ações da revitalização, foram doados materiais escolares para uma escola da região. O presidente interino, que já foi reitor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), aproveitou para destacar a importância da educação. "Esse é um dia histórico e para a história da vida das pessoas, olhando  o passado e contemplando o futuro", declarou. Ele falou ainda do "sentimento da educação, que liberta, emancipa e é sinônimo de democracia". "Educação de qualidade é um pedaço de ouro que reluz ainda que seja na escuridão", completou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.