Mapeamento nas redes sociais indica aumento das citações a Lula

Número de menções críticas ao ex-presidente no domingo cresceu em relação aos outros atos, enquanto diminuíram referências a Dilma

Mateus Coutinho , O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2015 | 09h17

São Paulo - O mapeamento das publicações em sites de notícias, blogs, e nas redes sociais Twitter e Facebook durante os protestos deste domingo, 16, revelaram que, apesar de a presidente Dilma Rousseff continuar sendo a figura mais citada no ambiente virtual, houve uma forte diminuição nas menções a ela e enquanto aumentaram as referências ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que passou a ser um dos principais alvos das críticas. Mapeamento feito pela empresa Bites Radar apontou que as menções negativas ao ex-presidente no Twitter chegaram a 44.335, ante 28.237 nos protestos de março.

Em 15 de março, data das primeiras manifestações de rua pró-impeachment deste ano, o nome de Lula apareceu em 28.237 posts no Twitter enquanto o de Dilma foi citado em 443.349 tweets, uma diferença de quase 16 vezes. Nesse domingo, o ex-presidente estava, até às 20h, presente em 44.335 posts contra 99.685 que citavam Dilma. Com isso, a diferença caiu para 2,2 vezes.

Para o diretor da empresa, Manoel Fernandes, o fato surpreendeu a equipe que já vinha fazendo o mapeamento desde antes do protesto. "Na própria quarta-feira percebemos que o volume de pessoas (nos protestos) ia ser menor e que haveria uma homogeneidade de agenda. A questão do Lula foi o fator surpresa de hoje", disse.

Além do ex-presidente, outros personagens chamaram atenção no relatório divulgado pela empresa. Entre os líderes da oposição, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi quem mais obteve apoio no Twitter com 17.096 preferências. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi mais falado nas redes sociais (4.484 vezes) do que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), citado 1.704 vezes.

"No total, os protestos e manifestações geraram 229 mil tweets no Brasil, 757 posts em blogs e 3.698 artigos em sites de notícia. Nesse último caso, os artigos representaram quase um terço de tudo que os jornalistas brasileiros publicaram nesse domingo", segue o relatório.

Outro nome de destaque nos protestos, o juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato, teve 12 mil posts positivos no Twitter. Para o diretor, esses números ajudam a compreender a correlação entre as manifestações nas ruas e na internet.

"Houve um foco muito forte, uma homogeneidade da discussão, de críticos do governo", aponta o diretor, lembrando que as menções corroboram muitos fatos vistos nos protestos como o boneco inflável de Lula, levado ao gramado em frente ao  Congresso , em Brasília, e as mensagens de apoio a Moro.

'Carnacoxinha'. Além das críticas, a expressão #carnacoxinha esteve entre os assuntos mais comentados no Twitter no Brasil e no mundo. A hashtag foi mencionada 106.557 vezes e ficou  nos trendings topics durante toda a tarde.

Para Manoel Fernandes, o bom desempenho da expressão foi espontânea, pois não há indicíos de uso de robôs - máquinas utilizadas para replicar comentários na internet. "Investigamos o #carnacoxinha, a principio não verificamos robôs. Essa hashtag foi produzida por 34 mil perfis, os dez que mais publicaram eram perfis bons (verificados pelo Twitter). São quase três hashtags por perfil, não é coisa de robô", explica.


Tudo o que sabemos sobre:
16 de agostoimpeachmentLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.