Mão Santa anuncia milésimo discurso, mas não comprova contabilidade

O senador Mão Santa (PMDB-PI) fez ontem o que anunciou como seu milésimo discurso transmitido pela TV Senado. Como o jogador Romário, que reivindica a marca de mais de mil gols, o senador não apresentou provas que sustentassem sua contabilidade.A soma, segundo o parlamentar, foi realizada pela Secretaria da Mesa. "Quando chegou a 900, eles me avisaram; aí eu passei a contar." Procurada, a Secretaria da Mesa não apresentou a contabilidade. Apenas disse que o serviço foi feito, nas palavras dos servidores, pela "criticada" Diretoria das Atas. O discurso de ontem, como de hábito, foi marcado pela inespecificidade. O senador misturou declarações de amor a sua mulher, Adalgisa, a lembranças de sua vida política. Juntou a isso uma série de outros assuntos, como episódios da vida de outros políticos e do filósofo romano Sêneca, e foi pródigo ao ironizar a constância do senador Romero Jucá (PMDB-RR) em atuar como líder tanto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso como do presidente Lula. "Ó, Sarney, quando Obama vier (ao Brasil) não traga ele ao Senado, não, porque ele, vendo o Romero, vai querer levá-lo para ser líder dele nos Estados Unidos", alertou.Terceiro-secretário do Senado, Mão Santa é elogiado por "tiradas" como essa. Mas é igualmente criticado por alongar as sessões - e com isso tornar mais despendioso o funcionamento do plenário - mesmo sem haver votações ou temas que justifiquem o gasto.Sobre o eventual exagero no número de discursos, ele cita o estadista britânico Winston Churchill, que - segundo ele - fez 8.578 discursos. "Recebo mil e-mails por semana, sou um dos políticos mais conhecido do País", garante. Mão Santa afirma que recebeu o voto de 71 dos 74 senadores que elegeram a atual Mesa Diretora.Os elogios à sua mulher são constantes. Discursos já incluíram as frases "por isso eu gosto de Deus, porque ele fez Adalgisa para mim" e "todos os dias eu durmo abraçado com a minha professora Adalgisa". Mão Santa tentou eleger Adalgisa prefeita de Parnaíba, no Piauí, mas ela foi derrotada. Outra praxe do senador é atacar os "jornalistas incautos" que, segundo ele, criticam o "melhor Senado da República do Brasil em 183 anos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.