FOTO DANIEL TEIXEIRA / ESTADAO
FOTO DANIEL TEIXEIRA / ESTADAO

Manuela, Haddad e Boulos pregam união e criticam ‘fascismo’

Presidenciáveis do PCdoB e PSOL e ex-prefeito participam do ato de Lula em Curitiba e prestam solidariedade ao petista

Ricardo Galhardo, ENVIADO ESPECIAL / CURITIBA

29 de março de 2018 | 01h20

O ataque a tiros a ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Paraná fez com que o ato de encerramento da viagem, ontem à noite, em Curitiba, fosse transformado em uma celebração de unidade da esquerda. Pré-candidatos à Presidência falaram em “fascismo” e discursaram contra o que chamaram de escalada de violência no processo eleitoral.

“Nós que amamos o Brasil e o povo brasileiro precisamos nos unir para derrotar o fascismo”, disse a presidenciável do PCdoB, Manuela D’Ávila. “Temos que responsabilizar o senhor Jair Bolsonaro, bandido, criminoso, sem vergonha, que está semeando o fascismo no Brasil”, afirmou o pré-candidato pelo PSOL, Guilherme Boulos.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, um dos mais aplaudidos, disse que o ato de encerramento da caravana deveria ser o início de uma “campanha” contra “fascistas”. “Não me sinto no encerramento da caravana do ex-presidente Lula, mas no início de uma nova campanha para derrotar os fascistas”, afirmou Haddad.

+ Bolsonaro e aliados de Lula trocam acusações durante atos em Curitiba

+ Petistas vão cobrar a federalização das investigações sobre ataque à caravana de Lula

+ Só exame no ônibus pode dizer se foi tiro, diz perita

Além de líderes do PT, participaram do evento - realizado em uma praça no centro de Curitiba - representantes do PSOL, PCdoB, PSB e até o senador Roberto Requião, do MDB. 

Lula destoou do discurso de união da esquerda e falou como pré-candidato à Presidência. Ao comentar os ataques dos quais foi alvo no Sul, o ex-presidente disse que esses manifestantes “estão mais para fascistas e nazistas do que para democratas”.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) comparou a caravana à Coluna Prestes, também iniciada no Rio Grande do Sul. “É muito épica também. Não conseguiram parar a caravana. Lula se impôs”, disse o senador petista. 

+ Delegado diz que ataque à caravana de Lula deve ser tratado como tentativa de homicídio

Bandeiras

Presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros sugeriu a criação de uma frente de esquerda para, segundo ele, barrar a escalada de violência na campanha eleitoral deste ano. “Hoje (ontem) é o dia em que a esquerda deixa de lado suas diferenças para reafirmar seu compromisso com a democracia”, disse o dirigente, em discurso no ato.

Medeiros citou ainda o assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, no Rio, como um desses episódios do que chamou de “escalada de violência política”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.