Manuela D´Ávila discursa sobre violência e maioridade penal

Foi discreta a estréia de Manuela D´Ávila (PCdoB-RS) na tribuna da Câmara. Às 14h27, quando a deputada que chama atenção pela beleza iniciou seu discurso de cinco minutos, havia poucos parlamentares no plenário. Nada parecido com a estréia da fulgurante Rita Camata (PMDB-ES), em 1987, numa lotada sessão da Assembléia Constituinte que parou para ouvi-la. Na época, Rita tinha 25 anos. A mesma idade de Manuela.Rita falou sobre a situação das crianças e dos adolescentes, causa que abraçou. Manuela também falou sobre adolescentes, não no contexto de Rita, que na época lançava o embrião do que viria a ser o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Manuela discursou sobre a violência, o envolvimento de menores no crime, os projetos aprovados pela Câmara que dificultam a saída de criminosos das cadeias.Num momento de comoção vivido pelo País por causa do selvagem assassinato do menino João Hélio Fernandes, de 6 anos, no Rio, e do clamor de muitos parlamentares para que seja reduzida a maioridade penal, a nova musa da Câmara não escondeu sua posição. "É a redução da maioridade penal que resolve os problemas da violência brasileira?", perguntou aos presentes. Manuela disse que o País vive uma situação de guerra, em que cerca de 30 mil jovens morrem envolvidos no narcotráfico. Ela citou o documentário Falcão: Meninos do Tráfico, do rapper MV Bill, que mostra crianças com 7 ou 8 anos de idade carregando papelotes de cocaína e brincando com armas de verdade. "Reduziremos a idade penal até o dia em que nossas crianças nasçam presas?"A deputada disse que "é necessário buscar soluções mais profundas, que façam justiça às famílias, como a do menino João Hélio, mas também dos Joãos, Marias, Josés que morrem todos os dias". O desafio, afirmou, é debater o desenvolvimento do Brasil, pensando um País que cuide dos 48 milhões de brasileiros jovens.Manuela D´Ávila anunciou que tem a intenção de participar dos debates na Câmara. Nas próximas vezes, ela promete falar sobre a crise financeira que atinge o Rio Grande do Sul, além de anunciar projetos que pretende apresentar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.