Mantega reforça garantias do uso do FGTS em infra-estrutura

O governo reforçou mais uma vez as garantias ao trabalhador que usar recursos do FGTS no fundo de infra-estrutura a ser criado com a implantação das medidas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em apresentação aos senadores nesta terça-feira, dia 13, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o investimento não trará perdas para o trabalhador, pois será garantido um rendimento mínimo de 3% mais TR, que é o atual rendimento do FGTS.Ele explicou ainda que o fundo será constituído com R$ 5 bilhões de um total de R$ 21 bilhões do patrimônio líquido do FGTS. Além disso, Mantega disse ter certeza de que os investimentos de infra-estrutura serão bem gerenciados pela Caixa Econômica Federal. CâmbioMantega aproveitou a oportunidade para falar do comportamento do dólar. Segundo ele, a valorização do real é resultado da conjugação de três fatores: crescimento das exportações, juros elevados e queda do risco Brasil - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do País. "Pagamos o preço do sucesso do nosso comércio exterior", disse.Ele avalia que o aumento das exportações tem melhorado a oferta de dólares, o que pressiona o real. Além disso, ressaltou, o Brasil continua praticando juros mais elevados, o que permite ganhos de arbitragem em relação a outros países, além do fato de que o Brasil diminuiu o seu risco e cada vez se torna mais seguro para o investidor. "Com isso há uma sobrevalorização do real, que prejudica alguns setores e o governo está altamente preocupado", disse Mantega.Ele lembrou que o Banco Central vem comprando dólares para reforçar as reservas internacionais que já atingiram a casa de US$ 105 bilhões. Segundo Mantega, o aumento das reservas também garante que o Brasil não fique a mercê da economia mundial. "Não vou dizer que não estamos suscetíveis a uma crise internacional, mas o risco é infinitamente menor do que no passado", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.