Mantega nega que vá exonerar Cartaxo da Receita Federal

Causou mal estar no Planalto a informação de que o comando da Receita montou uma operação para abafar escândalo da quebra de sigilo

EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

02 de setembro de 2010 | 16h05

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou hoje que pretenda exonerar o secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, em meio à revelação da quebra de sigilo de dados da declaração de Imposto de Renda de Verônica Serra, filha do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra. "Não estou cogitando fazer isso", disse Mantega a jornalistas, ao deixar a sede do ministério.    

 

Veja também:

linkReceita tentou abafar caso de filha de Serra

linkEscândalo na Receita coloca em risco cargo de secretário Cartaxo

blog PSDB leva ao ar à noite declaração de Serra sobre quebra de sigilo da filha

linkSerra acirra tom e cita violação da conta de caseiro

linkÉ o mesmo que Collor fez com Lula, diz tucano

linkOposição vai ao TSE e mira tornar Dilma inelegível

linkLula discute estratégia para blindar Dilma

linkDilma defende que Receita apure fatos antes da eleição

 

O secretário da Receita havia dito ao jornal O Estado de S. Paulo que a sua demissão do cargo depende de uma decisão do ministro da Fazenda. "O cargo pertence ao ministro Mantega, essa pergunta deve ser feita a ele", afirmou Cartaxo. "Nós estamos navegando na crise. Não é uma crise administrativa, é política", disse. Quando a reportagem perguntou se ele tomaria a iniciativa de entregar o cargo, Cartaxo pediu para desligar o telefone.

 

Causou profundo mal estar no Planalto a informação de que o comando da Receita Federal montou uma operação para abafar o escândalo da quebra de sigilo de membros do PSDB e de Verônica Serra. A operação, noticiada na edição de hoje do jornal teria o objetivo de evitar impacto político na campanha da candidata do PT, Dilma Rousseff.

 

A reportagem mostrou que a Receita suspeitou de fraude na violação do sigilo fiscal da filha de Serra, mas mesmo assim montou uma operação para abafar o escândalo e evitar impacto político na campanha de Dilma. Em meio ao discurso oficial, iniciado na noite de terça-feira, de que não havia irregularidade, o governo já sabia que a procuração usada para violar os dados de Verônica Serra poderia ser falsa. Os novos documentos da investigação, a que o Estado teve acesso ontem, também provam que a Receita sabia desde o dia 20 de agosto que o sigilo fiscal de Verônica havia sido violado em setembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.