Mantega faz avaliação pessimista sobre crise europeia

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez nesta quarta-feira uma avaliação pessimista sobre a crise europeia. Mesmo assim, diz que o Brasil está preparado e reafirmou que o País está em trajetória de aceleração do crescimento.

FERNANDO NAKAGAWA, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

12 de dezembro de 2012 | 13h21

"Nós não estamos vendo uma saída para a crise europeia no curto prazo. Mesmo porque o Banco Central Europeu rebaixou as projeções de crescimento de 2013 e 2014", disse em entrevista durante o "Fórum pelo Progresso Social", realizado na capital francesa. "A zona do euro está em recessão, o Japão também está em recessão e mesmo as projeções da Alemanha foram rebaixadas. A crise vai continuar", disse o ministro brasileiro, ao comentar que o cenário "exige uma mudança" de atitude dos governos europeus. "Que parem de fazer política pró-cíclica. O ajuste fiscal pode ser tiro que sai pela culatra. Pode não dar resultado", disse.

Apesar da crítica, Mantega citou que esse não era o caso da França, onde cumpre agenda como parte da comitiva brasileira que realiza visita de Estado ao país. "A França está começando um novo governo (do socialista François Hollande), está se adaptando".

Apesar do quadro nebuloso, Mantega afirma que o Brasil está preparado. "Nós nos preparamos para este cenário. À medida que a Europa não vinha solucionando a crise, nos preparamos. Daí a profundidade das reformas que estamos fazendo", disse, ao lembrar das ações que tentam dar mais competitividade à indústria nacional. "É para dar uma competitividade que a economia nunca teve antes. Com redução de todos os custos, do custo tributário, do custo financeiro, vamos dizer também do custo cambial e de energia", disse. "Há necessidade de redução de todos os custos para que a economia brasileira possa crescer em um ambiente de crise que pode continuar", resumiu.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaParisMantegacrise europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.