Mantega é crítico da política econômica de Palocci

O economista Guido Mantega, 56, começou no governo Lula como ministro do Planejamento, cargo em que esteve até novembro de 2004, quando assumiu a presidência do BNDES. Na ocasião, disse que considerava a mudança "uma promoção", porque deixaria de estar na posição de cortar despesas e teria um orçamento de R$ 60 bilhões para desembolsar.Como ministro, Mantega elaborou o projeto do Plano plurianual 2004 a 2007, no Executivo, e defendeu que o superávit primário (receitas menos despesas do setor público exceto juros) não tivesse uma meta de 4,25% do PIB por ano durante todos os anos - como defendia Palocci - mas variável dependendo do desempenho da economia, o chamado superávit anticíclico.Em 2003, Mantega chamou o então secretário de Política Econômica da Fazenda, Marcos Lisboa, de "mal-humorado", por prever o crescimento do PIB daquele ano em 0,4%, enquanto Mantega esperava uma variação de 0,8%. De acordo com o IBGE, o crescimento do PIB naquele ano foi de 0,5%.No BNDES, Mantega tem sempre defendido a queda da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada como base para operações do banco, e baixando assim as taxas ao tomador final.No início de 2005, envolveu-se em um debate público com o secretário do Tesouro, Joaquim Levy, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em torno da TJLP. Para Levy e Meirelles, os créditos direcionados como os do BNDES tiram eficácia da política monetária. Mantega respondeu que "seria uma catástrofe eliminar o crédito direcionado", acrescentando que isto atingiria a agricultura, toda a política industrial e todos os créditos atrelados à TJLP, aumentando a média da taxa de juros cobrada na economia.Durante o ano passado, defendeu também a queda da taxa Selic, decidida pelo Banco Central.Ao longo do governo Lula, Mantega vem apoiando a política econômica, eventualmente com algumas divergências pontuais em relação à equipe da Fazenda.FormaçãoMantega foi membro da Coordenação do Programa Econômico do PT nas eleições presidenciais de 1984, 1989 e 1998, e foi um dos coordenadores do Programa Econômico do PT na campanha de 2002.Economista formado pela USP, Mantega tem doutorado em Sociologia do Desenvolvimento na mesma universidade e fez especialização do Instituto de países em desenvolvimento (IDS) da Universidade de Sussex, na Inglaterra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.