Mantega discute com parlamentares da base redução da CPMF

O ministro da Fazenda, Guido Mantega,discute na manhã desta terça-feira com parlamentares da basealiada a possibilidade de fechar um acordo para reduzirligeiramente a alíquota da CPMF. Ao chegar para a reunião no Congresso, Mantega reiterou quequalquer modificação que seja acordada só será adotada após aaprovação da atual proposta de prorrogação de vigência doimposto do cheque até 2011. "A proposta tem que ser aprovada (no Senado) tal qual elafoi aprovada na Câmara", disse Mantega a jornalistas, "com ocompromisso que nós vamos anunciar depois de fazer a negociaçãocom a nossa base". Segundo o ministro, a proposta do redutor da alíquota dotributo "certamente será discutida, pois é defendida porsenadores da própria base". A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado votanesta tarde o parecer da relatora Kátia Abreu (DEM-TO), que écontrário à prorrogação do tributo. Se for rejeitado, o voto emseparado do senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo,será aprovado automaticamente. O texto de Jucá defende a continuidade da CPMF e foiapresentado na segunda-feira em seguida ao da senadora KátiaAbreu. A proposta de emenda constitucional (PEC) que prorroga avigência da CPMF até 2011, com a atual alíquota de 0,38 porcento, já foi aprovada na Câmara dos Deputados e, depois depassar pela CCJ, precisa ser votada, em dois turnos, noplenário do Senado. O governo quer aprovar a PEC até dezembro para evitar ainterrupção na cobrança do tributo, que rende aos cofrespúblicos cerca de 38 bilhões de reais por ano. (Por Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.