Manobras em fazenda de FHC visam dissuadir MST

Os 300 soldados do Exército que estãoprotegendo a fazenda Córrego da Ponte, de propriedade da família do presidente Fernando Henrique Cardoso no município de Buritis(MG), passaram o dia esta quinta-feira fazendo manobras na área, para inibir qualquer tentativa de invasão por parte dos integrantes doMovimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).A situação é tensa na região. Ainda nesta quinta, um grupo de moradores da cidade de Arinos, localizada nas redondezas da fazenda,expulsou do prédio da prefeitura membros do MST que tinham invadido o imóvel na quarta-feira. Três pessoas ficaram feridas.Depois da desocupação da prefeitura, o Ministério do Desenvolvimento Agrário abriu negociações com representantes do MST,num acampamento próximo a Brasília. O ministro José Abrão afirmou que não havia necessidade de invasão de qualquer prédiopúblico para que as conversas fossem realizadas. ?O que for justo será atendido?, disse ele, ressalvando que o atendimento dasreivindicações está condicionado à desmobilização dos sem-terra.Não há data para a saída do Exército da fazenda da família do presidente, que sofreu uma invasão há pouco mais de doismeses. Os militares estão lá desde a última terça-feira, quando começaram as movimentações dos sem-terra.De acordo comassessores do Planalto, somente quando houver uma completa desmobilização do MST os militares deixarão a área. Mas avisamque estarão prontos para retornar à fazenda imediatamente, caso haja alguma nova sinalização que possa ameaçar a segurançada área.O general Alberto Cardoso, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, afirma que não será maissurpreendido, como aconteceu da outra vez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.