Manobra atrasa processo de cassação de senadores

O presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto (PMDB-MA) informou no fim da manhã desta terça-feira que o conselho recebeu uma denúncia e não uma representação da CPI dos Sanguessugas contra três senadores acusados de envolvimento na máfia das ambulâncias.Com isso, o Conselho começa a apurar nesta quarta-feira se há ou não indícios para a abertura de processos para a cassação de mandatos dos senadores Ney Suassuna, Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT), o que atrasará a abertura de processo para cassação do mandato desses parlamentares."Nesta primeira fase, que deverá estar liquidada até o dia 24 de setembro, os relatores vão decidir se há indícios ou não para abertura de processos", disse João Alberto. "Se o parecer dos relatores recomendar a cassação, esse pedido vai para a mesa do Senado que irá se reunir e decidir se aceita ou não a abertura de processo contra os senadores. A partir daí, começa todo o processo novamente no Conselho de Ética", afirmou o senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.