Manifestantes vão às ruas em defesa da ´dignidade´ do País

Munidos de apitos e narizes de palhaço, cerca de 200 pessoas fizeram passeata neste domingo na Cinelândia, Centro do Rio, em defesa da "dignidade nacional". O evento, que ocorreu em 22 cidades simultaneamente, começou a tomar forma no site de relacionamento Orkut e foi motivado pelo "cenário político do País, em que surge um novo escândalo por semana", nas palavras da estudante de direito Glauce Freitas, de 22 anos, uma das organizadoras."Hoje somos poucos, mas as Diretas Já e o movimento que terminou no impeachment do Collor também eram. O importante é que as pessoas tenham espaço para dizer o quanto estão indignadas", afirmou Glauce.O evento reuniu atrizes como Cristiane Torloni e Lúcia Veríssimo, parentes de vítima da violência, como Cleide Prado Maia, que perdeu a filha de 14 anos, atingida por bala perdida, funcionários da Varig, servidores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que estão em greve, além de pessoas mobilizadas por blogs, sites e Orkut."Chegamos no limite. Nossa dignidade está em jogo. Não dá mais para reclamar tomando uísque no sofá de casa. É indo para a rua que a gente modifica as coisas", disse a atriz Cristiane Torloni, que defendeu voto consciente nas próximas eleições. "Os jornais deveriam publicar graciosamente a lista de todos os parlamentares envolvidos em escândalos, para que as pessoas saibam em quem estão votando."Lúcia Veríssimo disse que nunca viu o País "tão apático" diante das denúncias de corrupção. "Nas listas de discussão na internet as pessoas demonstram sua indignação, buscam respostas. Mas ainda é um espaço pequeno. Vim de São Paulo e fiz questão de participar da manifestação aqui porque eu vivo no Rio. E a minha indignação é em âmbito federal, estadual, municipal".Ao som de músicas como Que país é esse?, da banda Legião Urbana, e Até quando?, de Gabriel, o Pensador, os manifestantes saíram da Cinelândia, contornaram a Praça Paris e retornaram, num percurso que durou uma hora. A manifestação foi encerrada com o Hino Nacional. No trajeto, motoristas foram convidados a buzinar para mostrar sua indignação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.