Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Manifestantes tomam gramado em frente ao Congresso contra vetos de Dilma Rousseff

Com buzinas e faixas contra a presidente Dilma Rousseff, a maior parte dos manifestantes defende a derrubada do veto que barrou o reajuste do Judiciário

Carla Araújo e Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2015 | 19h23

Brasília - Milhares de manifestantes realizam nesta terça-feira, 22, um protesto, com buzinaço, em frente ao Congresso Nacional. Eles pressionam parlamentares para a derrubada dos vetos presidenciais a matérias que integram a chamada pauta-bomba e que poderia anular o esforço do governo em fazer o ajuste fiscal. Com buzinas e faixas contra a presidente Dilma Rousseff, a maior parte dos manifestantes defende a derrubada do veto que barrou o reajuste do Judiciário. Há faixa pedindo o impeachment da presidente Dilma. 

Durante todo o dia, manifestantes fizeram pressão pedindo aos parlamentares nos corredores da Câmara e do Senado para que derrubem os vetos. A previsão é que a sessão do Congresso que vai apreciar os 32 vetos presidenciais, incluindo o que barra o reajuste do Judiciário, comece às 20 horas. Ela será presidida pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). 

A sessão já foi adiada algumas vezes e o Planalto trabalhava para que ela fosse adiada novamente hoje. No entanto, por causa da disparada do dólar, a presidente Dilma pediu que o Congresso realizasse a sessão. 

Para derrubar qualquer um dos 32 vetos da pauta são necessários os votos de, pelo menos, 257 deputados e 41 senadores conjuntamente. O governo teme o impacto fiscal da derrubada dos vetos que giraria em torno de R$ 127,8 bilhões até 2019, segundo cálculos do próprio governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.