Manifestantes querem participar da escolha de reitor da UnB

No domingo, Timothy Mulholland deixou o cargo; assembléia nesta segunda não deve discutir desocupação

Carolina Freitas, da AE

14 de abril de 2008 | 12h45

A assembléia dos estudantes que ocupam a reitoria da Universidade de Brasília (UnB), iniciada ao meio-dia, não deve avaliar a desocupação do prédio. Depois da renúncia do reitor, Timothy Mulholland, e do pedido de exoneração do vice, Edgard Mamyia, no final de semana, os universitários discutem agora sua participação na indicação do nome do reitor temporário, que deve ser definido hoje em reunião do Conselho Superior Universitário (Consuni), às 15 horas. O reitor interino será responsável pela organização de novas eleições.  Veja também:Entenda o caso do reitor da UnBApós licença, estudantes da UnB querem agora saída de vice Estudantes da UnB rejeitam termo e mantêm ocupaçãoMEC quer parecer da Finatec sobre recursos para UnBJustiça manda estudantes desocuparem Reitoria    As denúncias contra o reitor Timothy Mullholland surgiram no início de fevereiro, em meio ao escândalo da farra com os cartões corporativos, que resultou na saída da ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro. A universidade apareceu como líder no ranking de instituições federais em gastos com cartões, e Mulholland teria usado recursos públicos de uma fundação, no total de R$ 470 mil, para mobiliar o apartamento funcional ocupado pelo reitor. Por conta das denúncias, a reitoria da universidade foi ocupada no dia 3 de abril pelos alunos, que reivindicavam o afastamento definitivo de Mulholland, anunciado neste domingo. O coordenador de Assistência Estudantil do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UnB, Sérgio Lopes, aluno de Biblioteconomia, diz que, antes de pensar em desocupar o prédio, os estudantes querem garantir que as próximas eleições sejam paritárias, ou seja, que professores, servidores e estudantes tenham voto de igual peso. Atualmente docentes têm peso de 70%, funcionários e estudantes ficam com 15% cada. "Antes de qualquer outra coisa, precisamos definir nossa representação na reunião de hoje do Consuni", diz Lopes. "A ocupação tem como objetivo principal mudar a forma desigual e antidemocrática como os reitores são eleitos." Na lei Segundo a Secretaria de Comunicação (Secom) da UnB, a proporção de votos para cada grupo é definida em lei e o reitor temporário não terá poder de mudar essas condições para a nova eleição.

Tudo o que sabemos sobre:
UnBgreveTimothy Mulholland

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.