Fábio Motta/ Estadão
Fábio Motta/ Estadão

Manifestantes fazem ato no Rio e SP em apoio a Bolsonaro

Parlamentar será julgado pelo Supremo Tribunal pelos crimes de incitação ao estupro e injúria e sofre processo por quebra de decoro

Luiz Fernando Toledo e Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2016 | 15h56

SÃO PAULO E RIO - Atos em apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) reuniram centenas de pessoas na manhã deste domingo, 3, em São Paulo e no Rio de Janeiro. O parlamentar será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de incitação ao estupro e injúria. Também sofre processo no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar.

O convite para manifestação postado no Facebook falava em "repúdio à ação recebida pelo STF por suposto crime de incitação ao estupro, movido pela deputada Maria do Rosário e outros(as)". No dia 21 de junho, por quatro votos a um, os ministros da Primeira Turma do Supremo acolheram denúncia da vice-procuradora-geral da República Ela Wiecko e abriram ação penal contra Bolsonaro por ele ter declarado, em 2014, que "não estupraria a deputada federal Maria do Rosário (PT/RS) porque ela não mereceria".

No Rio, a manifestação reuniu pouco mais de uma centena de pessoas na Barra da Tijuca, bairro da zona oeste, e teve a participação do deputado. 

Bolsonaro compareceu ao ato de apoio onde discursou em cima de uma van, cantou o hino nacional e, ao final, pulou sobre a plateia no melhor estilo "astro pop". Ele foi carregado por manifestantes vestidos com camisas com sua foto e a inscrição "Bolsomito". 

Em São Paulo, um grupo de cerca de 300 pessoas fez protesto na Avenida Paulista, na região central, por volta das 11h30. O deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho de Jair Bolsonaro, participou do ato.

No início da tarde, os manifestantes seguiram pela Avenida Brigadeiro Luís Antônio, em direção à Praça da Sé. Segundo a PM, não houve registro de confrontos nem detidos.

Outro ato em apoio a ele estava previstos para este domingo, em Brasília.

Quebra de decoro. Além de estar sendo processado criminalmente no STF, Jair Bolsonaro se tornou alvo no último dia 28 de um processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Câmara.

O PV acusa o deputado por ter dedicado seu voto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar. O partido pede a cassação do mandato do deputado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.