Manifestantes dormem pela segunda noite na Câmara de Rio Preto

Movimento 'Vergonha Rio Preto' pede fim do recesso parlamentar e participação da população em CPIs

Chico Siqueira, especial para o Estadão,

13 de julho de 2013 | 12h53

ARAÇATUBA - Cerca de 50 manifestantes que ocupam a Câmara Municipal de São José do Rio Preto (SP), dormiram pela segunda noite consecutiva no local. Os manifestantes, do movimento "Vergonha Rio Preto", um grupo criado nas redes sociais, está acampado no interior do prédio desde a noite de quinta-feira, quando invadiram o saguão da Casa de Leis com colchonetes e alimentos. Seus integrantes, na maioria estudantes e professores, dizem que só vão deixar o prédio quando suas reivindicações forem atendidas.

Entre as exigências está o fim do recesso parlamentar, o desconto nos salários dos vereadores que faltam às reuniões ordinárias, a participação da população nas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), aberturas de CPIs para investigar contas de quatro secretarias do município, reforma administrativa na Casa e a não construção de um grande terminal rodoviário projetado pela Prefeitura.

Os manifestantes pedem uma reunião com o presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), que está em viagem. Segundo a assessoria da Câmara, Pauléra só chega segunda ou terça-feira, quando então deverá receber a pauta de reivindicações. Em pedágios nas avenidas da cidade, os manifestantes pedem ajuda dos motoristas para comprar alimentos e colchonetes e chamam os moradores para irem até a Câmara apresentar suas reivindicações. "Queremos receber os moradores para que eles também falem o que querem mudar na cidade", diz um dos líderes do movimento, o professor José Paulo Dias.

 
Tudo o que sabemos sobre:
Rio Pretorecesso parlamentar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.