Manifestantes da CUT agridem ministro no aeroporto

O ministro do Trabalho, Francisco Dornelles, foi constrangido no aeroporto do Brasília, quando chegava do Rio de Janeiro, por militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Dornelles teve os pneus do carro oficial furados e se viu obrigado a ir de táxi para o Ministério do Trabalho. À tarde, durante a solenidade de lançamento da campanha Natal é mais Brasil, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Dornelles disse que essas manifestações fazem parte do jogo democrático, mas não deixou de alfinetar a CUT."A CUT perdeu o debate e, além da maioria das centrais sindicais e dos trabalhadores brasileiros, os grandes formadores de opinião também já se posicionaram a favor do projeto", argumentou. Para o ministro, a CUT, juntamente com o PT, está fazendo barulho. "Eles colocaram 300 funcionários do GDF (Governo do Distrito Federal) para prestarem serviços para a central e fazer manifestação no aeroporto", disse. Para o ministro essas 300 pessoas não representam os trabalhadores brasileiros. "Eles são funcionários públicos, regidos por outro sistema que não tem nada a ver com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho)", ponderou.Dornelles voltou a assegurar que o projeto em tramitação no Congresso Nacional só trará benefícios para os trabalhadores. "Nós não estamos mexendo na CLT, estamos criando um sistema paralelo para quem tiver condições e quiser negociar fora da CLT", disse. De acordo com Dornelles, os direitos constitucionais não podem ser objeto da negociação, bem como as normas de segurança no trabalho. Na avaliação do ministro, o projeto será aprovado na Câmara dos deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.