Manifestantes cobram CPI para apurar caso do helicóptero

Cerca de 10 manifestantes fizeram nesta terça-feira, 10, um protesto nos corredores do Senado em que cobraram a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar o escândalo da apreensão pela Polícia Federal de um helicóptero da família do senador Zezé Perrella (PDT-MG) com 443 quilos de cocaína há três semanas. Distribuindo a funcionários da Casa saquinhos de farinha, numa alusão à droga, o grupo defendeu que o Senado não pode deixar de apurar o caso.

RICARDO BRITO, Agência Estado

10 Dezembro 2013 | 17h09

"Não é mole não, a cocaína financiando a eleição", entoaram as pessoas, que se disseram vinculadas a movimentos sociais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Conselho Nacional da Juventude, entre outros. Parte deles prestou solidariedade na Penitenciária da Papuda, em Brasília, aos petistas condenados no processo do mensalão.

Ao lado do plenário, o grupo estendeu uma faixa com os dizeres "Esse pó não pode ir para debaixo do tapete. CPI já". A intenção do grupo era entregar farinha para os senadores, inclusive para Perrella. A aeronave que foi apreendida pela PF é de uma empresa que foi fundada por ele e tem como sócio o filho do senador, o deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG). Até o momento, a polícia descartou qualquer envolvimento da família Perrella no episódio. "A gente quer que o Senado entre nessa discussão", afirmou José Augusto Pinheiro Neto, 30 anos, um dos organizadores do protesto.

Os manifestantes aproveitaram o ato para criticar políticos do PSDB e cobrar da imprensa "isonomia" na cobertura do escândalo do cartel do metrô em São Paulo e do mensalão mineiro, que atinge o deputado federal tucano e ex-presidente do partido Eduardo Azeredo (MG). O protesto não durou 15 minutos, já que os manifestantes deixaram as dependências do Senado acompanhados pela Polícia Legislativa sem transtornos.

Mais conteúdo sobre:
Senado manifestação Perrella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.