Manifestante atingido por arma de fogo continua em estado grave

O mineiro Carlos Giovani Cirilo respira por aparelhos e paciente com mão dilacerado deve ser transferido de hospital

O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2017 | 14h57

BRASÍLIA - O manifestante ferido por disparo de arma de fogo durante a manifestação realizada na quarta-feira, 24, em Brasília permanece internado na UTI do Hospital de Base em estado grave. Boletim divulgado nesta manhã de sexta-feira, 26, pela Secretaria  de Saúde do Distrito Federal informou que o paciente, o mineiro Carlos Giovani Cirilo, continua respirando por aparelhos. Ele está sedado. A bala atingiu o maxilar do manifestante.

O boletim informa ainda que o estudante Vitor Rodrigues Fregulia, de 21 anos, que teve a mão dilacerada durante a explosão de uma bomba, será encaminhado nesta sexta para o Hospital do Paranoá, onde será avaliado por um especialista em mão. De acordo com o informe, ele foi submetido a uma cirurgia que ocorreu de acordo com o previsto. Não há previsão de alta.

Morador em situação de rua Paulo, identificado no boletim pelas iniciais P.S. L,  sofreu trauma cervical durante o conflito, apresenta um quadro estável e está respirando espontaneamente. O paciente não participava das manifestações.

Um integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), chamado Isaías, recupera-se no Centro de Trauma do Hospital de Base de ferimentos provocados por estilhaços de vidro que acertaram o pescoço e o rosto durante o protesto. De acordo com boletim, ele passa bem. O paciente identificado como C.P.N.N, com lesão no olho, permanece estável.

Tudo o que sabemos sobre:
UTIMTST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.