RAFAEL ARBEX | ESTADÃO
RAFAEL ARBEX | ESTADÃO

Manifestações pró-Dilma viram ato contra Temer

Militantes contrários ao impeachment se reuniram em várias capitais; na Praça da Sé, vice-presidente foi chamado de ‘golpista’ por petista

PEDRO VENCESLAU, RICARDO GALHARDO, ANDRÉ BORGES e VICTOR MARTINS, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2016 | 21h49

Grupos contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff realizaram ontem, em todo o País, manifestações em favor da democracia e contra o que classificam de “golpe” dos opositores. Além do repúdio ao impedimento da presidente, o vice-presidente Michel Temer foi um dos principais alvos do ato pró-governo em São Paulo.

A Frente Brasil Popular, grupo que reúne entidades sociais e partidos de esquerda contra o impeachment, reuniu milhares de pessoas na tarde de ontem na Praça da Sé, no centro de São Paulo, em um ato político marcado por críticas a Temer, ao PMDB e ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo os organizadores, foram 50 mil manifestantes. Já a Polícia Militar calculou 18 mil participantes.

Escalado para falar em nome do PT, o presidente do diretório estadual do partido em São Paulo, Emidio de Souza, chamou o vice-presidente Michel Temer de golpista. “Temer poderia passar para a história do Brasil como constitucionalista, mas junto com o (Eduardo) Cunha vai passar para a história como golpista”, disse o dirigente.

Depois de chamar Cunha de “ladrão do erário público”, Emidio usou as acusações contra o presidente da Câmara para desqualificar o processo de impeachment contra Dilma. “Eles falam muito em ética, mas se gostassem de ética não botavam um ladrão como Eduardo Cunha para cuidar do processo de impeachment”, afirmou.

Emidio também ironizou o desembarque do PMDB do governo. “O Brasil está vivendo o terceiro dia sem o PMDB no governo desde a Nova República.”

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, adotou um tom mais brando, mas também não poupou Temer. “Eu lamento que o vice eleito na nossa chapa, com o nosso programa, participe agora de um impeachment sem base legal. Isso tem nome. É golpe”, disse Falcão. Segundo ele, os ministros peemedebistas que se recusam a seguir a decisão da direção partidária de desembarcar do governo “não coadunam com aquele ato que alguns chamaram de farsa”.

Alguns oradores radicalizaram no discurso contra o PMDB. Luiz Gonçalves, o Luizinho, da Nova Central, disse que “o único golpe que Cunha merece é no fígado. Golpe de caratê, porrada naquele vagabundo”.

Outros dirigentes afirmaram que não reconhecerão um eventual governo do PMDB. “Se nós já fomos às ruas protestar contra o ajuste fiscal da Dilma, imagina em um eventual governo dele. Mas estamos confiantes que o impeachment não vai acontecer”, disse Raimundo Bonfim, líder da Central de Movimentos Populares.

“Não daremos nenhum dia de sossego para Michel Temer”, disse Gilmar Mauro, um dos líderes do Movimento Sem Terra (MST), ao falar sobre uma eventual aprovação do impedimento pela Câmara. Ele se diz, porém, otimista quanto a atuação dos deputados da base governista para reunir os votos necessários para impedir o impeachment na Câmara.

Brasília. Na capital federal, os participantes do ato Jornada Nacional pela Democracia – Golpe Nunca Mais começaram a chegar na manhã de ontem, em caravanas vindas de vários Estados do País. Segundo os organizadores, a manifestação em Brasília teve 100 mil pessoas, mas a Polícia Militar indicou 50 mil participantes.

O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), discursou em um carro de som em frente ao gramado do Congresso e lembrou que 31 de março é a data que marca a tomada do poder pelos militares em 1964. Classificando o processo de impeachment em andamento na Câmara como um golpe, ele afirmou que, para que haja impedimento da presidente, seria necessário um crime de responsabilidade.

Na sua fala, o senador gritou ao público: “A presidente Dilma roubou? A presidente recebeu propina?”. Ao que os manifestantes responderam com gritos de não, ele voltou a chamar o processo de golpe. “Estamos na rua para enterrar essa tentativa. Isso é golpe contra o povo brasileiro, é golpe contra a Constituição. Para que haja impedimento, é preciso crime de responsabilidade”, afirmou.

Em seguida, uma gravação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizia que de um lado estão os que querem atropelar a democracia e, do outro, os que acreditam nela. A gravação não foi passada integralmente por problemas técnicos que impediram a transmissão. 

Mais conteúdo sobre:
ImpeachmentDilma RousseffLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.